Home > Banco de Questões > Literatura > Movimentos >Realismo

Realismo II

Lista de 15 exercícios de Literatura com gabarito sobre o tema Realismo com questões de Vestibulares.


Você pode conferir as videoaulas, conteúdo de teoria, e mais questões sobre o tema aqui.


01. (FATEC) Memorial de Aires é o último romance escrito por Machado de Assis, tendo sido publicado em 1908, ano da morte do autor. Obra de caráter autobiográfico, apresenta-se como diversas entradas em uma espécie de diário, em que a relação com a velhice, as dificuldades dos relacionamentos amorosos e a futilidade da elite brasileira no final do século XIX são retratadas por meio de um série de episódios que se intercalam.

O trecho a seguir foi retirado do prefácio Advertência, que introduz a obra.

Quem me leu Esaú e Jacó talvez reconheça estas palavras do prefácio: “Nos lazeres do ofício escrevia o Memorial, que, apesar das páginas mortas ou escuras, apenas daria (e talvez dê) para matar o tempo da barca de Petrópolis”. Referia-me ao Conselheiro Aires. Tratando-se agora de imprimir o Memorial, achou-se que a parte relativa a uns dois anos (1888-1889), se for decotada de algumas circunstâncias, anedotas, descrições e reflexões, — pode dar uma narração seguida, que talvez interesse, apesar da forma de diário que tem. Não houve pachorra de a redigir à maneira daquela outra, — nem pachorra, nem habilidade. Vai como estava, mas desbastada e estreita, conservando só o que liga o mesmo assunto. O resto aparecerá um dia, se aparecer algum dia

ASSIS, Machado de. Memorial de Aires. In:______. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986. p. 1096.

Com base na leitura dos textos e nas obras de Machado de Assis, é correto afirmar que

  1. Memorial de Aires e O Alienista são obras de crítica social, mas não trazem a visão irônica da sociedade que é comum à produção machadiana.
  2. Quincas Borba e Memorial de Aires narram a trajetória de protagonistas que, apesar das imposições sociais, conseguem atingir seus objetivos.
  3. Memórias Póstumas de Brás Cubas e Memorial de Aires apresentam um narrador em terceira pessoa que relata os fatos tendo limitado conhecimento da história e dos detalhes da trama.
  4. Iaiá Garcia e Memorial de Aires apresentam características claramente identificadas com o movimento Realista, compondo, com Memórias Póstumas de Brás Cubas, a chamada Trilogia Realista.
  5. Dom Casmurro e Memorial de Aires seguem a tradição do romance psicológico, debruçando-se nos motivos íntimos por trás das escolhas e das ações e reações das personagens.

02. (PUC-SP) Não acabarei, porém, o capítulo, sem dizer que vi morrer no hospital da Ordem, adivinhem quem? ... a linda Marcela; e vi-a morrer no mesmo dia em que, visitando um cortiço, para distribuir esmolas, achei... Agora é que não são capazes de adivinhar... achei a flor da moita, Eugênia, a filha de Dona Eusébia e do Vilaça, tão coxa como a deixara, e ainda mais triste.

O trecho acima é do romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis e refere personagens que tiveram relacionamentos amorosos na vida do narrador. Assim, indique a alternativa correta sobre tais relacionamentos.

  1. Marcela fora, na adolescência, a protagonista de um amor tumultuado com Brás Cubas, mas interrompido pelo pai furioso que o envia a Coimbra para estudar Direito.
  2. Ambas exerceram grande poder de sedução sobre Brás Cubas, mas foram preteridas por Virgília, com quem Brás acabou se casando.
  3. Nenhuma delas afetou os sentimentos amorosos do narrador, pois este estava decidido a casar-se com Eulália, moça pretendida pela família para unir-se a ele.
  4. Eugênia, bonita e coxa, alimentou esperança de casamento com Brás Cubas e foi plenamente correspondida por ele que lhe dedicou amor sincero e incondicional.

03. (ITA) Em várias passagens de Quincas Borba, de Machado de Assis, as personagens interpretam erroneamente alguns fatos ou fazem ilações equivocadas a partir de algumas falas. Vemos isso, por exemplo, no episódio em que, a partir do relato que ouve de um cocheiro, Rubião se convence de que

  1. D. Tonica planeja casar-se com ele a qualquer custo.
  2. Palha pretende desfazer os negócios que tem com ele.
  3. Sofia deseja casá-lo com Maria Benedita.
  4. Sofia e Carlos Maria são amantes.
  5. Maria Benedita e Carlos Maria namoram em segredo.

04. (UNICAMP) O romance Memórias póstumas de Brás Cubas é considerado um divisor de águas tanto na obra de Machado de Assis quanto na literatura brasileira do século XIX. Indique a alternativa em que todas as características mencionadas podem ser adequadamente atribuídas ao romance em questão.

  1. Rejeição dos valores românticos, narrativa linear e fluente de um defunto autor, visão pessimista em relação aos problemas sociais.
  2. Distanciamento do determinismo científico, cultivo do humor e digressões sobre banalidades, visão reformadora das mazelas sociais.
  3. Abandono das idealizações românticas, uso de técnicas pouco usuais de narrativa, sugestão implícita de contradições sociais.
  4. Crítica do realismo literário, narração iniciada com a morte do narrador-personagem, tematização de conflitos sociais.

05. (FUVEST) Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. Mais; não padeci a morte de dona Plácida, nem a semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e, conseguintemente, que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: - Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.

Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas.

Não sei por que até hoje todo o mundo diz que tinha pena dos escravos. Eu não penso assim. Acho que se fosse obrigada a trabalhar o dia inteiro não seria infeliz. Ser obrigada a ficar à toa é que seria castigo para mim. Mamãe às vezes diz que ela até deseja que eu fique preguiçosa; a minha esperteza é que a amofina. Eu então respondo: “Se eu fosse preguiçosa não sei o que seria da senhora, meu pai e meus irmãos, sem uma empregada em casa”

Helena Morley, Minha vida de menina.

São características dos narradores Brás Cubas e Helena, respectivamente,

  1. malícia e ingenuidade.
  2. solidariedade e egoísmo.
  3. apatia e determinação
  4. rebeldia e conformismo.
  5. otimismo e pessimismo.

06. (PUC-SP) Entre os vários temas que dão forma ao romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, destaca-se o tema da loucura.

Desse tema NÃO se pode afirmar que

  1. está presente no capítulo “Os Navios de Pireu”, que revela a mania de um ateniense pobre que se achava dono dos navios atracados no porto.
  2. se mostra no capítulo “Um grão de sandice”, em que um doido chamado Romualdo se diz ser Tamerlão, general tártaro, fundador do II Império Mongol.
  3. aparece no capítulo “A Semidemência”, que retrata fundamentalmente Quincas Borba, que morre louco e achando que a dor é uma pura ilusão.
  4. integra o capítulo “O Delírio”, em que Brás Cubas, acometido de loucura, morre aos sessenta e quatro anos, após uma viagem alucinada à origem dos séculos, no lombo de um hipopótamo.

07. (PUC-Campinas) As colônias que se formaram na América portuguesa tiveram, desde o século XVI, o caráter de sociedades escravistas. Com o passar do tempo, consolidaram-se em todas elas algumas práticas relacionadas à escravidão que ajudaram a cimentar a unidade e a própria identidade dos colonos luso-brasileiros. Dentre essas práticas, ressalta-se a combinação entre um avultado tráfico negreiro gerido a partir dos portos brasileiros e altas taxas de alforria.

(BERBEL, Márcia; MARQUESE, Rafael e PARRON, Tâmis. Escravidão e política. Brasil e Cuba, c. 1790-1850. São Paulo: Hucitec/Fapesp. 2010. p. 178-179)

No romance Memorial de Aires, de Machado de Assis, o memorialista assim se manifesta no dia 13 de maio de 1888:

Ainda bem que acabamos com isto. Era tempo. Embora queimemos todas as leis, decretos e avisos, não poderemos acabar com os atos particulares, escrituras e inventários, nem apagar a instituição da história (...)

Com base nesse apontamento de seu diário, o memorialista Aires

  1. mostra-se cético quanto a quaisquer efeitos duradouros da lei promulgada nesse dia.
  2. apoia o fim da escravidão, sabendo no entanto que suas marcas profundas irão perdurar.
  3. manifesta indiferença diante de um evento pelo qual não se sente responsável.
  4. pondera as dificuldades que os escravistas terão para se defender judicialmente.
  5. festeja o fim da escravidão, acreditando que tal barbárie não mais se repetirá.

08. (IFMT) O Realismo em Portugal e no Brasil caracterizou-se como escola literária que buscou uma maior aproximação com a realidade ao descrever os costumes, os conflitos interiores do ser humano, as relações sociais, a crise das instituições, entre outras características. Essas questões eram tratadas à luz das correntes filosóficas em voga na época, sobretudo o positivismo, o determinismo e o darwinismo. Dois autores, um em Portugal, e outro, no Brasil, representam, de acordo com os cânones literários, essa escola: Eça de Queirós e Machado de Assis. Sobre o Realismo e estes autores, é possível afirmar que:

  1. Eça de Queirós foi considerado pelo canône literário o representante maior do Realismo em Portugal. Dentre suas obras mais famosas está o romance Dom Casmurro, que já foi retratado pelo cinema brasileiro.
  2. Marisa Monte e Carlinhos Brown, membros de Os Tribalistas, compuseram "Amor I Love You", em cuja letra há fragmento do romance O Primo Basílio, de autoria de Eça de Queirós, declamada por Arnaldo Antunes: “Tinha suspirado, tinha beijado o papel devotamente!/Era a primeira vez que lhe escreviam aquelas sentimentalidades/e o seu orgulho dilatava-se ao calor amoroso que saía delas, como um corpo ressequido que se estira num banho tépido/sentia um acréscimo de estima por si mesma/e parecia-lhe que entrava enfim numa existência superiormente interessante/onde cada hora tinha o seu encanto diferente, cada passo conduzia um êxtase/e a alma se cobria de um luxo radioso de sensações!".
  3. Machado de Assis, contemporâneo de Eça de Queirós, foi considerado o maior nome do Realismo Brasileiro. Contista, poeta, romancista e teatrólogo, escreveu, dentre outros romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro, Quincas Borba e O Crime do Padre Amaro.
  4. Bentinho e Capitu, personagens criadas por Eça de Queirós, são namorados desde a infância. Casados, Bentinho acredita que Capitu, mulher dissimulada, o trai com seu melhor amigo.
  5. Os romances realistas são caracterizados pelo nacionalismo, historicismo, individualismo, egocentrismo, pessimismo, pela fuga da realidade, entre outras características.

09. (PUC-Campinas) Brás Cubas busca articular a política de domínio paternalista, sob fogo cerrado nos anos 1870, com aspectos da onda de ideias cientificistas europeias do tempo – especialmente no que tange ao darwinismo social como forma de explicar a origem e a reprodução das desigualdades sociais.

(CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis Historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 96)

Quanto ao ponto de vista da narração, atribuída a um “defunto autor”, o romance Memórias póstumas de Brás Cubas constitui um relato

  1. fantasioso, sem qualquer compromisso com as tendências realistas da época.
  2. satírico, no qual se critica com mordacidade a personagem histórica que lhe dá o título.
  3. elegíaco, marcado pela amargura com que o narrador fantasmagórico desfia suas dores.
  4. irônico, no qual o narrador se apossa de sua biografia integral afetando distância e isenção.
  5. poético, por cujas imagens já foi classificado como um longo poema em prosa.

10. (UFRGS) Leia as seguintes afirmações sobre os romances Dom Casmurro, de Machado de Assis, e Diário da queda, de Michel Laub.

I - Os dois romances são narrados em primeira pessoa, como processo de compreensão do vivido.

II - Os dois narradores apresentam uma relação amorosa com esposa e filhos, reproduzindo a tradição familiar.

III- O balanço final dos narradores de cada romance demonstra grande aprendizado, a partir das experiências vividas, repleto de esperança e de otimismo.

Quais estão corretas?

  1. Apenas I.
  2. Apenas II.
  3. Apenas I e III.
  4. Apenas II e III.
  5. I, II e III.

11. (UENP) Assinale a alternativa que contém trecho de história literária referente a Memórias póstumas de Brás Cubas.

  1. “neste, o escritor se retrata, e volta ao caminho regular, recusando-se a ouvir o convite de seu demônio interior para aventuras estranhas”.
  2. “Todo o esforço está concentrado nos recursos técnicos, a sua preocupação é, por equívoco, produzir livros dentro das regras da arte, isto é, acompanhando os padrões do romance, e desistindo do caminho divergente”.
  3. “a costumeira estória do costumeiro homem médio machadiano: uma vida cinzenta, entretecida de alguns amores, de veleidades carreiristas jamais realizadas, de dias insignificantes".
  4. “apresenta como elemento a mais a complacência por um lado, por outro, a esperança cristã sobre o que, não compreendido em sua aparência, passa a ser aceito como fatalidade”.
  5. “abandonada essa preocupação corretiva, propõe a harmonia do amor e da glória, embora sempre sob o pressuposto da integridade moral”.

12. (FPP) Obra prima de Machado de Assis, “Dom Casmurro” pertence ao período Realista brasileiro. Entre outros elementos, sua perspectiva narrativa tem destaque e atesta a presença de um narrador:

  1. onisciente, que conhece os pensamentos de Capitu e Escobar e pode compreender seus sentimentos;
  2. que é testemunha do adultério de Capitu, comprovado ao final da narrativa;
  3. que utiliza o recurso do fluxo de consciência, comum nos romances brasileiros dos séculos XVIII e XIX;
  4. que considera Capitu uma mulher sedutora, mas suas dúvidas sobre a fidelidade da esposa desaparecem após o nascimento de seu filho;
  5. personagem que compartilha com o leitor suas suspeitas a respeito da fidelidade da esposa;

13. (UPF) Considere as afirmações a seguir em relação aos Contos definitivos, de Machado de Assis:

I. Com exceção de “O alienista”, que para alguns críticos é uma novela, os contos do livro subordinam-se às exigências próprias da narrativa curta, como a concisão e a unidade dramática.

II. Os caracteres, a ação e o destino das diferentes personagens que figuram nos contos demonstram que Machado de Assis, assim como os demais prosadores realistas e naturalistas, crê que os seres humanos são mero produto das circunstâncias.

III. Na composição de protagonistas femininas, nos contos “Missa do galo” e “Uns braços”, permanece sempre uma região obscura, um gesto difuso, um olhar ambíguo, que o autor não quer ou não consegue decifrar.

Está correto apenas o que se afirma em:

  1. III.
  2. I e III.
  3. II e III.
  4. I.
  5. II.

14. (UEA) Leia o trecho de Quincas Borba, de Machado de Assis, para responder às questão.

E enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria monótono, tudo rindo cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas1, soluços e sarabandas2, acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida.

(Quincas Borba, 1992.)

1 polca: tipo de dança.

2 sarabanda: tipo de dança.

O vocativo “meu rico senhor” evidencia um procedimento recorrente na prosa de Machado de Assis, que diz respeito ao modo como o narrador

  1. expõe sua intimidade de forma sincera e espontânea, configurando uma narrativa subjetiva.
  2. zomba com sarcasmo de si próprio, pois reconhece que não é rico: passa por dificuldades.
  3. conversa diretamente com o leitor, incluindo-o como seu interlocutor na narrativa.
  4. ironiza a fragilidade da condição do protagonista, que ainda não se equilibrou na vida.
  5. expressa seu pessimismo, já que a riqueza de seu interlocutor não existe sem a pobreza.

15. (PUC-Campinas) O que singulariza o pessimismo de Machado de Assis é a sua posição antagônica em relação ao evolucionismo oitocentista, ao culto do progresso e da ciência. Frente às ingenuidades do cientificismo, o sarcasmo de Brás Cubas reabre a interrogação metafísica, a perplexidade radical ante a variedade do ser humano. Um artista como Machado levou mais a sério do que os arautos do evolucionismo cientificista o golpe que Darwin tinha desfechado contra as ilusões antropocêntricas da humanidade.

(MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977, p. 171-172)

Ao afirmar que Machado de Assis referendou o golpe que Darwin tinha desfechado contra as ilusões antropocêntricas da humanidade, o autor do texto dá força à ideia de que o criador de Brás Cubas

  1. deixou-se levar pelo cientificismo dos pesquisadores mais ingênuos.
  2. acabou se identificando com os arautos do progresso histórico.
  3. alinhou-se ao pessimismo darwinista em relação ao futuro da humanidade.
  4. rechaçou a ideia de que os homens constituam o centro privilegiado do universo.
  5. considerou que a ciência da época soube como aliar-se às elucubrações da metafísica.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp



Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp