Home > Banco de Questões > História > História do Brasil > Simulados

Brasil Império V

Lista de 20 exercícios de História do Brasil com gabarito sobre o tema Brasil Império com questões de Vestibulares.



01. (UEFS) Em 1835, a Regência Una foi assumida por Diogo Feijó. Foi eleito em votação apertada, com pouco mais da metade dos votos, numa demonstração clara de que enfrentaria grande oposição em seu governo. Logo explodiram rebeliões em várias províncias, alguma reivindicando mais poder, outras com objetivos separatistas e até mesmo tendência republicana. Todas com maior ou menor mobilização popular.

(VAINFAS ET AL. 2010. p. 207).

No clima de rebeliões do período descrito no texto, as maiores mobilizações populares ocorreram

  1. na Cabanagem do Grão-Pará, na Balaiada do Maranhão e nos Malês, na Bahia.
  2. na guerra da Cisplatina, no quilombo dos Palmares e na guerra de independência na Bahia.
  3. na Revolução Pernambucana de 1817, na Confederação do Equador e na guerra dos Mascates.
  4. na campanha da Maioridade, na pressão pela abdicação de D. Pedro I e na declaração de guerra do Brasil ao Paraguai.
  5. em todas as províncias do Sul e do Sudeste, onde prevalecia a maioria da população rural, carente de atendimento por parte dos setores governamentais.

02. (Mackenzie) A maior das guerras que a América Latina conheceu no século XIX foi a Guerra do Paraguai (1864-1870). Em 1865, os governos do Brasil, Argentina e Uruguai criaram a Tríplice Aliança contra o governo do presidente paraguaio Solano López. Sobre esse conflito considere as afirmativas dadas.

I. A questão fundamental era a liberalização da bacia do Rio da Prata para o comércio internacional, o que beneficiaria especialmente aos interesses ingleses na região.

II. A expansão da economia paraguaia exigia que o país pudesse exercer controle sobre a navegação dos rios platinos. Com uma indústria florescente, o Paraguai necessitava escoar suas mercadorias através do estuário do Prata.

III. Os países integrantes da Tríplice Aliança foram financiados pelo capital inglês e, portanto, não tiveram suas economias prejudicadas pelo confronto armado. Assinale

  1. se somente a afirmativa I estiver correta.
  2. se somente a afirmativa II estiver correta.
  3. se somente a afirmativa III estiver correta.
  4. se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
  5. se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

03. (UEFS) A Lei Provincial No 1.320, de 16 de junho de 1873, elevou a vila à categoria de cidade. A partir daí, passou a ser chamada de Cidade Comercial de Feira de Santana. Os decretos estaduais 7.455 e 7.479, de 23 de junho e 8 de agosto de 1931, respectivamente, simplificaram o nome para Feira. O Decreto Estadual No 11.089, de 30 de novembro de 1938, oficializou a denominação do município: Feira de Santana.

(A LEI PROVINCIAL... 2016).

O primeiro nome da cidade de Feira de Santana, como indica o texto, se relaciona à sua origem e aos dias atuais,

  1. com o povoamento original, realizado por pequenos agricultores que produziam para o autoconsumo de suas comunidades.
  2. ao caráter essencialmente turístico de sua economia, responsável pela atração de visitantes de todas as partes do mundo.
  3. à grande concentração de cultos indígenas e afrodescendentes que ali antecederam a campanha de evangelização realizada por missionários jesuítas.
  4. à sua localização estratégica, como ponto de convergência e entroncamento para a antiga feira de gado e para a circulação de mercadorias de todo o país.
  5. ao seu papel como principal polo de produção têxtil e de combustível do Estado da Bahia.

04. (UDESC) Sobre o cultivo de café no Brasil, assinale a alternativa correta

  1. Foi introduzido no país no século XVIII, tornando nosso país o primeiro produtor mundial, desde então.
  2. A “marcha do café” iniciou-se no Rio de Janeiro, adentrou o Vale do Paraíba e ganhou o oeste paulista e o norte do Paraná.
  3. Seu cultivo atrasou a abolição da escravatura no Brasil, pois as fazendas do oeste paulista permaneceram escravistas até a assinatura da Lei Áurea.
  4. Após as geadas ocorridas no norte do Paraná, na década de 1970, iniciou-se uma migração do café para o norte do País, sendo hoje o estado do Mato Grosso do Sul seu maior produtor.
  5. Seu cultivo impulsionou a industrialização do estado de São Paulo, que se inicia com a instalação das montadoras de automóveis na região do ABC paulista.

05. (UECE) Atente às seguintes afirmações acerca do momento histórico brasileiro conhecido como Segundo Reinado:

I. Esse período, no primeiro momento, constituiu a luta a favor da permanência da monarquia, sob a égide de Pedro I.

II. A crise interna do sistema escravista, aliada aos vários conflitos e revoltas internas observados durante esse período, contribuíram para por fim ao Segundo Reinado.

III. O final do Segundo Reinado representou o fim do período Imperial no Brasil e o início do sistema republicano.

É correto o que se afirma somente em

  1. I e II.
  2. I e III.
  3. II.
  4. III.

06. (UFU) Para os historiadores das décadas de 1960 e 1970, o Brasil e a Argentina teriam sido manipulados por interesses da Grã-Betanha, maior potência capitalista da época, para aniquilar o desenvolvimento autônomo paraguaio, abrindo um novo mercado consumidor para os produtos britânicos. A guerra era uma das opções possíveis, que acabou por se concretizar, uma vez que interessava a todos os envolvidos. Seus governantes, tendo por base informações parciais ou falsas do contexto platino e do inimigo em potencial, anteviram um conflito rápido, no qual seus objetivos seriam alcançados com o menor custo possível. Aqui não há bandidos ou mocinhos, mas interesses.

DORATIOTTO, Francisco. Maldita guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 87-96. (Adaptado).

A Guerra do Paraguai foi o maior conflito militar no qual o Brasil se envolveu em sua história. Nas novas interpretações dos historiadores para a guerra,

  1. tem sido destacada a natureza democrática do governo de Solano López, bem como a crescente industrialização do Paraguai.
  2. tem sido enfatizada a importância do conflito para o fortalecimento do regime monárquico brasileiro.
  3. tem sido valorizada a dinâmica geopolítica interna do continente sul-americano, em oposição às teorias da responsabilidade externa pela guerra.
  4. têm sido destacados os interesses expansionistas brasileiros como a principal causa da guerra.

07. (UECE) Nos últimos anos do século XVIII e início do século XIX, o Ceará já contava com 24 freguesias e dezesseis vilas. Nesse período, suas vilas mais prósperas eram

  1. Aracati, Icó e Sobral.
  2. Fortaleza, Aracati e Viçosa do Ceará.
  3. Granja, Aquiraz e Crato.
  4. Quixeramobim, Aracati e Aquiraz.

08. (UFRR) Sobre a Cabanagem, é INCORRETO afirmar que:

  1. a rebelião foi liderada por ex-escravos que pretendiam assumir o governo e garantir melhoria nas condições de vida;
  2. ocorreu em Belém, na primeira metade do século XIX e teve como objetivo tomar o poder, situação que se concretizou com o assassinato do, então, governador da província, durante a ocupação da cidade pelos revoltosos;
  3. o inconformismo de fazendeiros e comerciantes com a nomeação do presidente da província do Pará, definido pelo poder central e a miséria da população são os dois fatos que deram início à Cabanagem;
  4. a Cabanagem foi uma das rebeliões regenciais que refletia uma insatisfação geral da população brasileira com o governo central, em um contexto de crise econômica e as condições de vida das classes populares;
  5. a origem do nome está na característica da maioria dos participantes que eram trabalhadores rurais e que moravam em cabanas nas margens dos rios.

09. (Mackenzie) O período das regências constitui momento crucial do processo de construção da nação brasileira. Por sua pluralidade e ensaísmo [foi] um grande laboratório político e social, no qual as mais diversas e originais fórmulas políticas foram elaboradas e diferentes experiências testadas, abarcando amplo leque de estratos sociais. O mosaico regencial não se reduz, portanto, a mera fase de transição, tampouco a uma aberração histórica anárquica, nem mesmo a simples ‘experiência republicana’”.

Marcello Basile. “O laboratório da nação: A era regencial *1831-1840). In: Keila Grinberg e Ricardo Salles. O Brasil Imperial. Volume II – 1831-1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p.97

Assinale a alternativa que contenha elementos característicos do Período Regencial (1831-1840).

  1. Suspensão do Poder Moderador, causando oposição de setores políticos conservadores; surgimento do abolicionismo radical, contribuindo para revoltas de escravos na Bahia; fundação do Partido Republicano que, aliado às Forças Armadas, acirrou a oposição ao Império.
  2. Intensa oposição à antecipação da maioridade de D. Pedro II, visto com uma ameaça aos interesses das camadas populares; profundas diferenças ideológicas entre as facções políticas das elites, levando a confrontos armados; anulação da Constituição de 1824.
  3. Surgimento de diferentes projetos políticos, como a defesa do republicanismo; mobilização do exército contra a ascensão política das camadas populares; aprofundamento das desigualdades sociais, em virtude da alta inflação e da especulação financeira.
  4. Disputa pelo governo regencial, representada pela falta de unidade da elite política regencial e pela vacância do trono; formação de facções políticas distintas, portadoras de diferentes projetos; ativa mobilização popular, com revoltas em diversas províncias.
  5. Eclosão de diversas revoltas sociais e políticas, em províncias do Norte e Nordeste; surgimento de facções políticas, com projetos de governo diferentes; movimento em torno da antecipação da maioridade de D. Pedro II, como forma de garantir o atendimento de reivindicações populares.

10. (UEA) Com a imigração, o mercado interno se alarga consideravelmente. Os colonos do café e os demais trabalhadores do complexo cafeeiro – ferroviários, ensacadores, portuários, empregados das casas de comércio e dos bancos – recebiam salários, que deveriam lhes permitir algum consumo de produtos da indústria, sobretudo, roupas e outros artigos de tecidos.

(Paul Singer. “Interpretação do Brasil: uma experiência histórica de desenvolvimento”. In: O Brasil republicano, 1986.)

A economia do café exerceu um papel essencial no início da industrialização do Brasil, na medida em que

  1. exigiu do governo brasileiro o controle da qualidade do produto exportado.
  2. aboliu a polaridade senhor/escravo e extinguiu a economia de exportação.
  3. nacionalizou o processo produtivo do plantio à exportação da mercadoria.
  4. atraiu trabalhadores do Nordeste brasileiro e contraiu o mercado consumidor.
  5. estimulou outras atividades econômicas e diversificou a sociedade.

11. (UCPEL) A atividade da mineração, comparada à economia açucareira, apresentou algumas diferenças e peculiaridades, entre as quais é correto citar o seguinte:

  1. A sociedade nordestina apresentou maior estratificação social do que a mineira em função do desenvolvimento do comércio interno.
  2. A mineração possibilitou a alforria de alguns escravos que podiam comprar sua própria liberdade, algo praticamente inexistente no ciclo açucareiro.
  3. A capital política da colônia manteve-se inalterada ao longo do período colonial, apesar do novo ciclo econômico proporcionado pela mineração.
  4. A crise do sistema colonial se fez sentir no ciclo minerador, ocorrendo apenas, nessa região, um movimento inspirado no Iluminismo.
  5. A atividade açucareira impossibilitou outras atividades paralelas que permitissem a ocupação do sertão, diferente do que vai ocorrer na mineração.

12. (UFRN) No Brasil, logo após a independência política em relação a Portugal, foi necessário obter o reconhecimento internacional para consolidar-se política e economicamente no quadro das nações de fato independentes. Sobre o(s) primeiro(s) país(es) a reconhecer(em) o Brasil como país soberano, assinale a alternativa correta.

  1. Foi a França, interessada em avançar com seu território da Guiana Francesa e estabelecer novas colônias.
  2. Trata-se da Inglaterra, interessada em efetivar o imperialismo que já vinha exercendo desde antes da independência.
  3. Foram os EUA, que tinham em vista as futuras alianças comerciais e a diminuição das influências inglesas em nosso país.
  4. Foram a Argentina e o Paraguai, recentemente independentes, interessados em formar uma América Latina forte e ampliar o comércio na Bacia do Prata.

13. (UFN) No Brasil, por volta de 1870, o café representava 56% das exportações do império e, na década de 1880, chegou a 61%. Essa expansão do cultivo contribuiu para reverter a crise em que o país se encontrava desde o início do período imperial. Sobre esse contexto, é incorreto afirmar que:

  1. O transporte ferroviário desenvolveu-se em função do setor cafeeiro desde a segunda metade do século XIX.
  2. A alta concentração de renda, em torno dos cafeicultores, dificultou o desenvolvimento de outros setores e aumentava a necessidade de importação.
  3. A modernização da produção do café no sudeste, nas últimas décadas do século XIX, alavancou o progresso nas outras regiões do País.
  4. Até 1850, foram mantidos o regime de plantation e a utilização plena do braço escravo nas lavouras.
  5. O segundo império do Brasil era marcadamente agrário e escravista, com forte dependência do capital inglês.

14. (UFRN) Lei nº 3353, de 13 de maio de 1888, declara extinta a escravidão no Brasil.

A Princesa Imperial Regente em nome de Sua Majestade, o Imperador o Senhor D. Pedro II, faz saber a todos os súditos do Império que a Assembleia Geral decretou, e ela sanciona a Lei seguinte:

Artigo 1º: É declarada extinta desde a data desta Lei a escravidão no Brasil.

Artigo 2º: Revogam-se as disposições em contrário.

(Disponível em: http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/legislacao/trabalho-escravo/lei_3353_1888.pdf.)

De acordo com o conteúdo da lei anteriormente exposta e a trajetória da abolição da escravidão no Brasil, analise as afirmativas.

I. Logo após a abolição, direitos e deveres constitucionais foram estendidos aos libertos e a seus algozes.

II. A Constituição de 1824 permitia que cada estado (província) estabelecesse legislação própria em relação à escravidão.

III. Mesmo depois da Lei Áurea, o tráfico de escravos continuou a representar a atividade mais lucrativa do Império.

IV. Com o advento da Lei Áurea, a legitimidade antes atribuída à escravidão, deixa de existir oficialmente no Brasil.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s)

  1. I, apenas.
  2. IV, apenas.
  3. I, II, III e IV.
  4. II e III, apenas.

15. (UFRGS) A organização do Império brasileiro, no século XIX, foi marcada por uma série de tensões sociais, políticas e militares. Um dos episódios mais relevantes desse período foi a chamada Guerra dos Farrapos (1835-1845).

Sobre o conflito, considere as seguintes afirmações.

I - A promulgação da Lei Feijó (1831), que tinha por objetivo fomentar o tráfico de africanos para o Brasil, contrariando assim os interesses republicanos das elites políticas da Província de São Pedro, foi um dos fatos desencadeadores da Guerra.

II - A Guerra dos Farrapos também pode ser inserida dentro de uma conjuntura platina na qual têm importância as relações mantidas entre lideranças sul-rio-grandenses e elites político-econômicas uruguaias.

III - O Corpo de Cavalaria dos Lanceiros Negros, formado por parte da população escrava habitante da Província, foi dizimado pelas tropas imperiais, na chamada “surpresa de Porongos”.

Quais estão corretas?

  1. Apenas I.
  2. Apenas II.
  3. Apenas I e II.
  4. Apenas II e III.
  5. I, II e III.

16. (UECE) Dentre as afirmações a seguir, assinale aquela que está INCORRETA no que diz respeito à Confederação do Equador (1824)

  1. A Confederação do Equador estava afinada com os ideais de federação que serviram de base para a implantação da República dos Estados Unidos da América.
  2. A revolta começou com a exigência de que o Presidente da Província de Pernambuco, indicado por D. Pedro I, renunciasse ao cargo em favor do liberal Manuel de Carvalho Pais de Andrade.
  3. A Confederação do Equador uniu Pernambuco e as Províncias da Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.
  4. Cedendo às forças de repressão comandadas pelo Brigadeiro Francisco Lima e Silva, após cinco meses de resistência, os rebeldes se entregaram, sendo, por este motivo, anistiados.

17. (UFRGS) Leia o segmento abaixo, escrito entre os dias 18 e 19 de maio de 1888.

O momento político e social é grave, gravíssimo. Os problemas que nos assediam, a despeito de havermos arredado o trambolho da questão servil, são ainda muito sérios, são da índole daqueles que decidem o futuro de um povo.

ROMERO, Sílvio. Prólogo da 1ª. edição. In: História da literatura brasileira. Tomo I. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1953.

Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem.

O trecho faz referência ao contexto de ........, agravada, entre outros fatores, pela consolidação dos ideais ........, pela extinção formal do ........, pelo descontentamento dos ........ em relação ao governo central, culminando com o fim da monarquia no Brasil em 1889.

  1. crise do segundo reinado – republicanos – trabalho escravo – militares
  2. crise do primeiro reinado – parlamentaristas – trabalho escravo – militares
  3. crise do segundo reinado – positivistas – trabalho de imigrantes – liberais
  4. crise do primeiro reinado – republicanos – trabalho escravo – conservadores
  5. crise do segundo reinado – escravistas – parlamentarismo – republicanos

18. (UECE) Atente para as afirmações a seguir, acerca do Processo de Abolição dos Escravos no Brasil, e assinale com V as afirmações verdadeiras e com F, as falsas.

( ) Em 1850, o Brasil foi levado a extinguir o tráfico internacional, porém, surgiu o tráfico interno com a venda de escravos das áreas mais pobres para as mais desenvolvidas.

( ) Nesse processo, algumas leis foram aprovadas com o objetivo de acalmar os abolicionistas e ir lenta e gradualmente extinguindo a escravidão, quais sejam: Lei do Ventre Livre, Lei do Sexagenário.

( ) Nesse movimento não se tem notícias de insurreições ou ações dos próprios escravos em prol da própria liberdade, em virtude da forte repressão presenciada nos últimos momentos do período escravocrata.

( ) A abolição da escravatura se deu ainda no Reinado de D. Pedro II e representou um grande avanço para a inserção do ex-escravo como cidadão na sociedade brasileira.

A sequência correta, de cima para baixo, é:

  1. V, V, V, F.
  2. V, V, F, F.
  3. F, V, F, V.
  4. F, F, F, V.

19. (UEMG) Em abril de 1831, na cidade do Rio de Janeiro, era comum ouvir nas ruas versos como esses:

"Passa fora pé de chumbo

Vai-te do nosso Brasil

Que o Brasil é brasileiro

Depois do 7 de Abril".

(dito popular - 1831)

Essa quadrinha, uma produção coletiva e anônima, representava o sentimento da população em um contexto político conturbado, pois o Imperador D. Pedro I

  1. encontrava uma base de sustentação política sólida e sem disputas, o que lhe dava estabilidade para governar, mesmo com enorme impopularidade por causa de sua conduta pessoal irresponsável, desregrada e desrespeitosa.
  2. diante da insatisfação da população brasileira com a tentativa das cortes portuguesas de recolonizarem o Brasil, consegue o apoio dos grandes proprietários para concretizar o que seu pai, D. João VI, previra que aconteceria ao deixar o Brasil: a Independência.
  3. vivia um entrave na sua relação política com a elite agrária brasileira, já que a constituição do Império, que havia sido promulgada no ano de 1824, muito democrática e liberal, concedia importantes direitos sociais à massa popular.
  4. abdicou ao trono brasileiro, já que não havia condições mínimas de governabilidade diante da enorme insatisfação popular com o seu governo, consequência da grave crise econômica que assolava o país e dos gastos com a disputa sucessória em Portugal.

20. (UECE) “No dia 17 de janeiro de 1808, a Real Casa de Bragança chega ao Rio de Janeiro, após 45 dias navegando pelos mares do Atlântico Sul, com rápida estada em Salvador.”

AZEVEDO, Francisca L. Carlota Joaquina na Corte do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira 2003, p. 69.

O principal resultado da transferência da Corte Portuguesa para o Brasil foi

  1. a abertura dos portos e o consequente rompimento do pacto colonial.
  2. a autonomia política e econômica do Brasil em relação a Portugal.
  3. o colapso do sistema econômico brasileiro baseado na mão de obra escrava.
  4. o fim do sistema colonial e a instauração do regime republicano no Brasil.


.