Home > Banco de Questões > História > Brasil República

Greve Geral de 1917

Lista de 10 exercícios de História do Brasil com gabarito sobre o tema Greves Operárias com questões de Vestibulares.

Confira as videoaulas, teoria e questões sobre: Brasil República.





01. (UFRGS) A greve geral dos trabalhadores porto-alegrenses de 1917 marca uma inflexão nas relações entre estes e o governo de Borges de Medeiros, então governador do Estado pelo PRR. O governador aceitou em parte as demandas dos operários paredistas, como, por exemplo, a generalização das oito horas de trabalho e o controle de exportações de produtos essenciais.

Essa aceitação deveu-se

  1. à ameaça de sua deposição pelos operários armados e organizados em barricadas pela cidade.
  2. à lenta e gradual adoção de políticas esquerdistas por parte de Borges de Medeiros, que culminaram com a Revolução de 1923, de cunho marcadamente socialista.
  3. à tentativa do PRR em enquadrar parcialmente o problema operário à sua política de governo, com o intuito de restabelecer rapidamente a ordem na cidade.
  4. à aliança entre operários e maragatos, notórios apoiadores do governo borgista.
  5. ao ultimato dado pelo presidente da República, Venceslau Brás, ao governador, já que o governo federal apoiava a causa operária.

02. (PUC-PR) Em julho de 1917 estourava a primeira greve geral do Brasil, iniciada pelos trabalhadores da indústria têxtil paulista, no auge contou com mais de 50 mil trabalhadores de diversas cidades e categorias.

A mobilização operária brasileira teve início ainda nos primeiros anos do século XX, foram anos de discussões e greves para termos o direito de formar sindicatos livres e garantir um mínimo de condições de trabalho. Acerca do contexto vivido no Brasil e no mundo que explica a organização operária e as greves do início do século XX, assinale a alternativa CORRETA:

  1. O anarquismo e o socialismo foram as primeiras correntes políticas a influenciar o movimento operário brasileiro, ambos fundaram partidos e participaram dos congressos operários que organizaram a Greve Geral de 1917. Posteriormente, o Partido Comunista Brasileiro e o Partido Anarquista do Brasil disputaram eleições parlamentares.
  2. Diversos periódicos operários eram publicados nos grandes centros brasileiros como forma de divulgar ideias políticas, discutir problemas e convocar assembleias ou greves. Grande parte dessa organização de luta deve-se ao fato de que a maioria dos imigrantes italianos e espanhóis era politizada, situação que garantiu ampla troca de informações com o governo brasileiro que atendeu diversas de suas reivindicações.
  3. Algumas das principais reivindicações operárias da Greve Geral de 1917 e outras do período eram a diminuição da jornada de trabalho e o respeito às associações e sindicatos operários. Após negociação, as indústrias cumpriram as promessas e, após a desmobilização, os líderes e participantes não foram perseguidos.
  4. Devido a reforma do Rio de Janeiro em 1910, o presidente Rodrigues Alves decretou o fechamento de uma série de indústrias da região, provocando o início de uma série de greves e do Primeiro Congresso Operário Brasileiro após a drástica diminuição nos postos de trabalho da capital federal.
  5. No Brasil, durante o período da Primeira Guerra Mundial, a indústria de substituição nacional de alguns produtos, antes importados cresceu. Se por um lado aumentavam os postos de trabalho nas indústrias; por outro, houve grande aumento do custo de vida devido à falta de diversos produtos.

03. (UEFS) A greve geral de 1917 foi uma convulsão operária sem precedentes. Suas raízes estavam no trabalho fatigante, insalubre e perigoso das fábricas, mas a principal reclamação dos grevistas era o custo de vida. Na falta do pão, “remediavam com o saque dos depósitos de farinhas”, justificou o anarquista italiano Gigi Damiani. Enquanto isso, exportadores armazenavam gêneros de primeira necessidade à espera da alta dos preços no mercado internacional. (SILVA, 2005, p. 52).

Os trabalhadores que se insurgiram na greve de 1917, em São Paulo, e que formavam o embrião do operariado brasileiro originavam-se de

  1. retirantes nordestinos, tangidos do sertão pela violência das secas.
  2. imigrantes europeus, sobretudo italianos, espanhóis e portugueses.
  3. descendentes de ex-escravos, libertados com a lei da abolição de 1888.
  4. membros das classes médias urbanas, empobrecidas pelo golpe do Encilhamento.
  5. trabalhadores desempregados pela decadência da exploração da borracha na Amazônia.

04. (PUC-SP) A Greve Geral de 1917 no Brasil

  1. iniciou-se com as ações de propaganda dos líderes comunistas que seguiam, em termos estratégicos, a orientação do bolchevismo russo.
  2. caracterizou-se por ser uma das mais abrangentes e longas greves da época em São Paulo e Rio de Janeiro, liderada pelos anarquistas.
  3. desenvolveu-se em todo o país a partir do apoio dos meios de comunicação e da adesão dos setores rurais.
  4. encerrou-se com o Estado aprovando uma legislação trabalhista eficaz, embora inicialmente nenhuma exigência do movimento tivesse sido atendida.

05. (UNESP) (...) 2.º Que seja respeitado do modo mais absoluto o direito de associação para os trabalhadores;

3.º Que nenhum operário seja dispensado por haver participado ativa e ostensivamente no movimento grevista;

4.º Que seja abolida de fato a exploração do trabalho dos menores de 14 anos nas fábricas;

(...)

6.º Que seja abolido o trabalho noturno das mulheres;

7.º Aumento de 35% nos salários inferiores a 5$000 e de 25% para os mais elevados;

(...)

10.º Jornada de oito horas (...)

(O que reclamam os operários. A Plebe, 21.07.1917. Apud Paulo Sérgio Pinheiro e Michael Hall. A classe operária no Brasil, 1889-1930 – Documentos, 1979.)

As reivindicações dos participantes da greve geral de 1917, em São Paulo, indicam que

  1. os governos da Primeira República aceitavam os movimentos sociais, permitindo o convívio harmonioso e democrático entre as classes sociais.
  2. o Brasil não dispunha de legislação trabalhista e as condições de vida e trabalho dos operários eram, na maioria dos casos, ruins.
  3. os trabalhadores já haviam conquistado o direito pleno de associação e de greve, mas ainda se submetiam a longas jornadas diárias de trabalho.
  4. o Estado assumia o papel de intermediário nas negociações trabalhistas, mantendo neutralidade diante de conflitos sociais.
  5. os sindicatos operários eram rigorosamente proibidos, devendo os trabalhadores reivindicar aumentos salariais diretamente aos patrões.

06. (UFPR) Considere a seguinte imagem:

Sobre a questão operária e a Greve Geral de 1917, mostrada na imagem, assinale a alternativa correta.

  1. O operariado brasileiro era composto majoritariamente por homens maiores de 21 anos, uma vez que o trabalho infantil e o feminino haviam sido abolidos após os conflitos da Revolta da Vacina.
  2. As greves gerais no Brasil tiveram relativa aderência popular, uma vez que o povo brasileiro primava por manter a ordem e evitar o que os governantes chamavam de “excessos”.
  3. Durante a Primeira República, a frase “a questão social é um caso de polícia” tornou-se um mote da ação do governo; afinal, ela resumia a preocupação das elites políticas com o descaso com que eram tratados os trabalhadores.
  4. Existem diversos debates na História que discutem as tendências políticas dos participantes e, principalmente, das lideranças da greve de 1917, mas é comum defini-la como uma greve de tendências anarco-sindicais.
  5. A participação do Partido Comunista brasileiro foi fundamental na articulação dos trabalhadores no ano de 1917. Sem essa instituição, não seria possível organizar um movimento em nível nacional.

07. (UNICAMP) Em julho de 1917, convocou-se, em São Paulo, uma greve geral, com adesão de 45.000 trabalhadores, para pedir aumento salarial. A greve se estendeu ao Rio de Janeiro e levou o governo a reforçar o aparato repressivo e decretar estado de sítio em 1918. Nos anos de 1917-1919, o Chile registrou o recrudescimento da agitação sindical. Mobilizavamse com facilidade 100.000 trabalhadores, como durante as manifestações contra o custo dos alimentos em 1918 e 1919. A Argentina foi outro país que teve um movimento sindical poderoso. Entre 1917 e 1921, o movimento sindical conheceu seu apogeu. Apenas durante o ano de 1919, registraram-se 367 greves na capital Buenos Aires.

(Adaptado de Olivier Dabène, América Latina no século XX. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003, p. 64-65.)

Considerando o texto acima e seus conhecimentos sobre o tema, assinale a alternativa correta.

  1. Os movimentos grevistas foram espontâneos e apartidários nos anos de 1910, rejeitando a infiltração ideológica das lideranças sindicais, de maioria marxista e comunista, pouco mobilizadoras no período.
  2. Os movimentos sindicais estavam em processo de fortalecimento, entre outras razões, pela intensa ruralização dos países latino-americanos na década de 1900.
  3. O processo de fortalecimento dos movimentos sindicais enfrentou um forte aparato repressivo, nos anos de 1920, marcado pela colaboração entre os Estados latino-americanos.
  4. Os movimentos sindicais latino-americanos apresentavam, em 1917, especificidades em relação aos da Europa quanto às pautas reivindicatórias dos trabalhadores.

08. (FGV-SP) Na primeira quinzena de julho de 1917, mais de 50 mil trabalhadores participaram de uma greve geral na cidade de São Paulo.

A respeito dessa greve, é correto afirmar que ela foi

  1. deflagrada devido às perdas do poder de compra dos salários dos trabalhadores em um contexto de aumento da inflação e ampliação dos lucros dos empresários.
  2. provocada pela insatisfação dos operários brasileiros devido à participação do país na Primeira Guerra Mundial e a recorrente convocação de seus filhos para os combates na Europa.
  3. influenciada pela Revolução Russa de 1917 e pelas movimentações mexicanas no mesmo ano, que mobilizaram camponeses e trabalhadores urbanos em diversos países.
  4. dirigida por setores fascistas influenciados pela emergência dos movimentos de direita na Europa e pela forte presença de trabalhadores de origem ítalo-germânica na cidade de São Paulo.
  5. provocada pelas insatisfações dos imigrantes italianos que eram obrigados a se deslocar das fazendas de café do Oeste Paulista para trabalharem nas empresas estabelecidas na cidade de São Paulo.

09. (UEFS) O movimento operário no Brasil iniciou-se em fins do século XIX e tinha como principal objetivo colocar um fim à exploração capitalista e construir uma nova sociedade. Na década de 10 do século seguinte, viveu anos de fortalecimento, quando as principais cidades brasileiras foram sacudidas por greves, sendo uma das mais importantes a de 1917, em São Paulo, em que 70 mil trabalhadores cruzaram os braços, exigindo melhores condições de trabalho e aumentos salariais. Os anos 20, apesar de alguns avanços em termos de legislação social, foram difíceis para o movimento operário, que foi obrigado a enfrentar grandes desafios, entre os quais o recrudescimento da repressão por parte do governo. Apesar disso, não se pode deixar de reconhecer que foi nessa década que o movimento operário brasileiro ganhou maior legitimidade entre os próprios trabalhadores e a sociedade mais ampla, transformando-se em um ator político que iria atuar com maior desenvoltura nas décadas seguintes.

Tendo como referência o texto acima, é correto afirmar que:

  1. a classe operária assumiu a liderança de articulação sindical nacional, e sua principal conquista obtida pela greve de 1917 foi a criação do Ministério do Trabalho, cujo objetivo era enfrentar a questão social dos baixos salários.
  2. os operários imigrantes tiveram participação expressiva na organização política do país e na criação de jornais, defendendo princípios oligárquicos e difundindo ideais vinculados ao totalitarismo, principalmente o nazismo e o comunismo.
  3. o movimento operário no Brasil, nas primeiras décadas do século XX, recebeu forte influência do anarquismo e do anarco-sindicalismo, que fomentaram a criação, em 1932, do Partido Comunista Brasileiro, ligado à III Internacional.
  4. a proibição do trabalho infantil até os 12 anos e a fixação de jornada de trabalho diária de oito horas agitavam as principais bandeiras da classe operária, no início da organização sindical no Brasil.
  5. o sindicalismo brasileiro surgiu no ABC paulista, por meio da organização de greves nas grandes montadoras de automóveis e da superação das diretorias sindicais pelegas, apesar da grande resistência imposta pelos governos da Primeira República.

10. (UDESC) “A carestia do indispensável à subsistência do povo trabalhador tinha como aliada a insuficiência dos ganhos; a possibilidade normal de legítimas reivindicações de indispensáveis melhorias de situação esbarrava com a sistemática reação policial; as organizações dos trabalhadores eram constantemente assaltadas e impedidas de funcionar; os postos policiais superlotavam-se de operários, cujas residências eram invadidas e devassadas, qualquer tentativa de reunião de trabalhadores provocava a intervenção brutal da polícia (...) O ambiente operário era de incertezas, de sobressaltos e angústias. A situação tornava-se insustentável.”

A citação é um relato de Edgar Leuenroth no jornal Estado de São Paulo, justificando a sua participação no movimento grevista de 1917. Conforme descreve Leuenroth, a condição operária gerou uma série de greves e mobilizações durante a primeira república.

Sobre as reivindicações da classe operária, na segunda metade da década de 1910, analise as proposições.

I. O operariado reivindicava a jornada de 8 horas de trabalho.

II. O operariado reivindicava o direito ao repouso semanal de 36 horas.

III. O operariado reivindicava a proibição do trabalho de menores de 14 anos.

IV. O operariado reivindicava a igualdade salarial para homens e mulheres.

  1. Somente as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
  2. Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras.
  3. Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
  4. Somente as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.
  5. Todas as afirmativas são verdadeiras.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp



.