Home > Banco de Questões > História da Arte > Linguagens Artísticas >Cinema

Cinema

Lista de 10 exercícios de História da Arte com gabarito sobre o tema Cinema com questões de Vestibulares.


Você pode conferir as videoaulas, conteúdo de teoria, e mais questões sobre o tema Cinema.



01. (UFG) Na primeira metade do século XX, em virtude do aperfeiçoamento da fotografia, o cinema emergia como uma arte capaz de impactar multidões. Esse impacto decorria

  1. do uso das técnicas teatrais para compor as personagens, retirando-lhes complexidade psicológica.
  2. da aliança entre imagem em movimento e efeitos sonoros, aprimorando os recursos para contar histórias.
  3. da eleição de roteiros nos quais era atribuída relevância ao ator por meio de monólogos.
  4. do investimento em cenários suntuosos como estratégia de convencimento dos espectadores.
  5. do privilégio concedido às histórias de penúria, tornando o drama um gênero de sucesso.

02. (UFGD) O filme Em Cinema da Lei (2016), com direção de Sergio Resende, ficcionaliza a história profissional do juiz federal Odilon Oliveira, tendo como pano de fundo o crime organizado e o tráfico de drogas em uma cidade na região de fronteira com o Paraguai. No elenco, estão atores conhecidos do grande público como Mateus Solano, Paolla Oliveira e Chico Diaz, que protagonizam a trama gravada na cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul. Com base na obra cinematográfica, assinale a alternativa correta.

  1. O comércio das drogas ilícitas no ambiente geográfico do filme é legitimado pelo poder judiciário em virtude da prosperidade que promove na economia local.
  2. Uma análise dos elementos da narrativa audiovisual permite dizer que o antagonista da trama é o juiz federal Vítor cujo objetivo é desmontar o esquema de contrabando de drogas da região, comandado pelo traficante Gomez e pela procuradora Aline.
  3. O policial federal Elton procura dar respaldo às ações do juiz Vítor investigando a conduta judicial e as relações da procuradora Aline com o traficante Gomez.
  4. A corrupção do poder judiciário era clara e ostentada no começo da narrativa, mas com a chegada do juiz federal Vítor, precisa se tornar sutil para cooptar as ações do magistrado.
  5. O juiz federal Vítor fortalece o arquétipo do herói romântico ao ser apresentado na obra como uma das únicas figuras incorruptíveis da narrativa.

03. (UFGD) O filme Terra Vermelha (2008), dirigido por Marco Bechis, retrata as tensões e conflitos enfrentados por índios Guarani-Kaiowá, envolvendo a posse de terras no estado de Mato Grosso do Sul, próximo à fronteira Paraguai/Argentina/Brasil. Quanto à estética e à interpretação do filme, assinale a alternativa incorreta.

  1. O filme denuncia o processo de ocupação desigual da terra, resultando, para os indígenas, em problemas como disputas com fazendeiros, assassinatos, desnutrição, alcoolismo e suicídios.
  2. A situação de penúria dos nativos, divididos entre suas tradições culturais e a civilização branca, é bem representada pela dificuldade de acesso a bens de consumo como celulares, motocicletas e artigos de vestuário.
  3. O suicídio final de um adolescente indígena é simbólico, pois representa a impossibilidade, enfrentada pelos nativos, de restituir um modo de vida cultural que o espaço a eles destinado já não comporta.
  4. O foco narrativo se concentra no espaço indígena, realçando o drama vivido por essa população em detrimento da situação dos fazendeiros, que são representados esquematicamente e sem um aprofundamento psicológico que os humanize.
  5. Os impasses de comunicação entre índios e não índios transparecem no fato de que um fazendeiro, desistindo de conversar com os índios, decide usar meios violentos para afastá-los das terras ocupadas.

04. (UNESP) Nenhum dos filmes que vi, e me divertiram tanto, me ajudou a compreender o labirinto da psicologia humana como os romances de Dostoievski – ou os mecanismos da vida social como os livros de Tolstói e de Balzac, ou os abismos e os pontos altos que podem coexistir no ser humano, como me ensinaram as sagas literárias de um Thomas Mann, um Faulkner, um Kafka, um Joyce ou um Proust. As ficções apresentadas nas telas são intensas por seu imediatismo e efêmeras por seus resultados. Prendem-nos e nos desencarceram quase de imediato, mas das ficções literárias nos tornamos prisioneiros pela vida toda. Ao menos é o que acontece comigo, porque, sem elas, para o bem ou para o mal, eu não seria como sou, não acreditaria no que acredito nem teria as dúvidas e as certezas que me fazem viver.

(Mario Vargas Llosa. “Dinossauros em tempos difíceis”.www.valinor.com.br. O Estado de S. Paulo, 1996. Adaptado.)

Segundo o autor, sobre cinema e literatura é correto afirmar que

  1. a ficção literária é considerada qualitativamente superior devido a seu maior elitismo intelectual.
  2. suas diferenças estão relacionadas sobretudo às modalidades de público que visam atingir.
  3. as obras literárias desencadeiam processos intelectualmente e esteticamente formativos
  4. a escrita literária apresenta maior afinidade com os padrões da sociedade do espetáculo.
  5. as duas formas de arte mobilizam processos mentais imediatos e limitados ao entretenimento.

05. (UESB)

A imagem em destaque, contextualizada no filme “O Menino e o Mundo”, de Alê Abreu, permite afirmar, exceto:

  1. A obra narra, sob uma inquietante ótica infantil, um mundo devastador, dominado pelo capitalismo, mas que, de maneira indireta, mostra um profundo desejo de mudança.
  2. A trajetória de Oninem em busca de seu pai revela questões sociais que despertam no espectador uma tristeza, diante da constatação de fatos, que se amplia pela simplicidade com que as imagens são construídas.
  3. A expectativa da personagem de encontrar seu pai, simbolicamente contextualiza a crença da criança por uma sociedade mais justa e igualitária.
  4. A ausência de diálogos contrasta com a presença de sons que contribuem para a expressão de sentimentos e para a evolução da trama.
  5. A opção por traços minimalista, além de estabelecer um diálogo com a realidade psíquica de Oninem e com as demais crianças, provoca nos adultos a memória afetiva que os faz desejar voltar a ser criança.

06. (ESPM) O drama brasileiro ganhou o prêmio de público da Mostra Panorama, segunda mostra mais importante, no Festival de Berlim.

O prêmio de público não traz nenhuma quantia em dinheiro, mas traz um enorme prestígio exatamente porque emana da voz dos cinéfilos não profissionais.

Vindo de Sundance, festival nos EUA, dirigido para as produções independentes, com os prêmios de melhores atrizes para Regina Casé e Camila Márdila, o filme agora alcançou o prestigioso prêmio em Berlim.

(http://blogs.estadao.com.br/fatima-lacerda/ ganha-o-premio-de-publico-da-mostra-panorama/ 14/2/2015 acessado às 14h04)

O filme brasileiro em questão é:

  1. “A que horas ela volta?” de Anna Muylaert;
  2. “Jia Zhangke, um homem de Fenyang” de Walter Salles;
  3. “Ventos de agosto” de Gabriel Mascaro;
  4. “Ausência” de Chico Teixeira;
  5. “Sangue azul” de Lírio Ferreira.

07. (FACASPER) Sobre São Paulo S/A, de Luís Sérgio Person, é corretor afirmar:

  1. O dilaceramento existencial de Carlos, o protagonista do filme, representa o desespero dos intelectuais brasileiros às vésperas do AI-5, prenunciando um novo tempo de violência e arbítrio que se concretizaria a partir de 1968.
  2. O drama de Carlos tem como palco e motor principal a cidade de São Paulo. A articulação dos dramas interior e exterior, vividos não somente pelo personagem, mas também pelo país, é construída de forma a tornar o filme um amargo retrato da classe média brasileira.
  3. O filme se constrói como um discurso interior do personagem principal, explorando as narrações em off de Carlos como um substrato lírico e subjetivo que se emancipa da realidade social e política.
  4. No filme, a euforia desenvolvimentista dos anos 1950 funde-se à tragédia política de Carlos, o protagonista, que escolhe o caminho da luta armada para tentar entender um pouco melhor seu país após o golpe militar de 1964.
  5. O filme está fundamentado na distância cínica que a câmera estabelece com os personagens, interessada que está em registrar a violência e a agilidade das tragédias físicas, marca principal do cinema novo.

08. (ESPM) Observe a matéria:

O filme é visualmente muito elaborado, com inspiração em pinturas pré-rafaelitas e alemãs, música de Beethoven (como a Nona Sinfonia) e traduzindo a habitual visão niilista do diretor sobre a vida e as relações humanas. Kirsten Dunst acabou vencendo o prêmio de melhor atriz neste ano em Cannes, por seu desempenho no filme. A discussão do filme em si, que concorria à Palma de Ouro, foi bastante prejudicada por declarações do diretor sobre Hitler.

(www.g1.globo.com. Acesso em 04/08/11).

O texto trata sobre:

  1. o filme Meia Noite em Paris, do cineasta norte-americano Woody Allen;
  2. o filme Restrepo, do jornalista norte-americano Sebastian Junger e do fotojornalista inglês Tim Hetherington;
  3. o filme Melancolia, do cineasta dinamarquês Lars Von Trier;
  4. o filme Bastardos Inglórios, do cineasta norte-americano Quentin Tarantino;
  5. o filme As Razões do Coração, do cineasta mexicano Arturo Ripstein.

09. (ESPM) A Cinemateca Brasileira realiza a mostra “Dogma 95 – 15 anos depois” com o apoio do Instituto Cultural da Dinamarca. O Dogma 95 é um movimento cinematográfico internacional lançado a partir de um manifesto publicado em 13/03/1995, em Copenhague, na Dinamarca. Os autores foram os cineastas dinamarqueses Thomas Vinterberg e Lar

Von Trier.

(www.redebrasilatual.com.br)

Sobre o Dogma 95 é correto afirmar:

  1. constituiu o manifesto de adesão de criativos cineastas ao cinema de modelo hollywoodiano;
  2. o manifesto teve cunho técnico e segundo os cineastas foi um ato de resgate do cinema feito antes da exploração industrial (segundo o modelo de Hollywood);
  3. uma das características dos filmes – Dogma – são os elevados custos de produção, o que transformou os trabalhos produzidos pelo movimento em filmes de produção caríssima;
  4. entre as chamadas regras básicas, também conhecidas como “voto de castidade” do movimento, estão a que o filme deve ser em preto e branco e todos devem contar com iluminação especial e filtros;
  5. o movimento prega a utilização de elementos especiais para explorar a cena, como trilha sonora, efeitos especiais, cenografia e truques de filmagem.

10. (FGV) Na mesma época da Bossa Nova na música, surgia o Cinema Novo. Entre 1960 e 1962, um grupo de jovens cineastas, entre eles Glauber Rocha, Arnaldo Jabor, Ruy Guerra, além do veterano Nelson Pereira dos Santos, preconizava a necessidade de um cinema ousado, em forma e conteúdo (…)

(Marcos Napolitano. Cultura brasileira: utopia e massificação (1950-1980), 2001.)

Sobre essa ousadia “em forma e conteúdo”, é correto afirmar que o Cinema Novo

  1. trabalhava com paródias de superproduções do cinema europeu e usava de referências carnavalescas para representar o gosto popular pelos melodramas.
  2. defendia um cinema de autor, com a utilização de um cenário natural, mostrando a realidade brasileira marcada por relações sociais conflituosas.
  3. negava destaque aos problemas contemporâneos e tinha como temática a recuperação de um passado mítico brasileiro, sob uma estética futurista.
  4. seguia os padrões hollywoodianos quanto à temática do progresso e recebia decisivo apoio financeiro da Ancine — Agência Nacional do Cinema.
  5. reconhecia, na harmonia social e racial brasileira, o elemento básico para a compreensão da realidade econômica do país.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp