Home > Banco de Questões > História da Arte > Idade Contemporânea >Futurismo

Futurismo

Lista de 11 exercícios de História da Arte com gabarito sobre o tema Futurismo com questões de Vestibulares.


Você pode conferir as videoaulas, conteúdo de teoria, e mais questões sobre o tema Futurismo.



01. (Fuvest) O futurismo de Marinetti e o fascismo de Benito Mussolini têm em comum:

  1. a constatação da falência cultural da Itália, que se agarrou ao passado romano e ignorou os grandes avanços da Primeira Revolução Industrial.
  2. o desejo de proporcionar aos cidadãos italianos o acesso aos bens de consumo e a implantação do Estado de bem-estar social.
  3. o esforço de modernização cultural e a tentativa de demolir as edificações que restaram do passado romano.
  4. a valorização e a adoção das bases e dos princípios das teorias revolucionárias anarquistas e socialistas.
  5. a glorificação da ideologia da guerra e da velocidade proporcionada pelos avanços técnicos e militares.

02. (UEL) Considerando as transformações da Arte Moderna em relação ao Período Acadêmico, observe as figuras 6 e 7 das obras futuristas e leia o texto a seguir.

Para os futuristas, os objetos não se esgotavam no contorno aparente e os seus aspectos se interpenetravam continuamente, devido, sobretudo, à nossa visão, que é dinâmica e vê vários espaços a um só tempo ou vários tempos num só espaço.

(DELL’ARCO, M. F., 1968, apud MORAIS, F. Arte é o que eu e você chamamos arte. Rio de Janeiro: Record, 2000. p.254.)

Com base nas figuras, no texto e nos conhecimentos a respeito do movimento Futurista, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas a seguir.

( ) A partir do contato com o Cubismo, os futuristas investiram menos no tema e se aplicaram a complementar seu divisionismo colorista com uma fragmentação formal do tipo cubista. As obras futuristas demonstravam a possibilidade de usar a arte como meio para captar os aspectos de um entorno dinâmico. O divisionismo lhes permitia imprimir um ritmo dinâmico na composição.

( ) Boccioni, em seu Manifesto da Escultura Futurista, proclamou o uso de um único tipo de material na escultura. Enfatizou a imitação de fórmulas herdadas do passado baseadas na cópia do modelo nu e no estudo da estatuária clássica.

( ) Enquanto, no Cubismo, a geometrização enfatiza a estrutura formal do motivo representado, a fragmentação futurista tem a meta de criar elementos lineares (“linhas de força”) que podem ser seriados para produzir um efeito de movimento. A coerência formal no Futurismo tem importância secundária.

( ) O Futurismo italiano foi impulsionado na primeira década do século XXI pelas exposições e imagens do Realismo e do Neoclassicismo, sendo também influenciado pelo Expressionismo alemão.

( ) O Futurismo teve sua origem em uma maneira de entender a civilização, considerando o dinamismo como sensação típica do “nosso” tempo a ser buscada na pintura e na escultura. Em alguns aspectos foi um movimento radical que rechaçou todas as tradições, valores e instituições sempre respeitados. Valorizou o registro da velocidade como valor plástico.

Assinale a alternativa que contém, de cima para baixo, a sequência correta.

  1. V, V, V, F, F.
  2. V, V, F, V, F.
  3. V, F, V, F, V.
  4. F, V, F, V, F.
  5. F, F, V, F, V.

03. (ENEM 2017) E venham, então, os alegres incendiários de dedos carbonizados! Vamos! Ateiem fogo às estantes das bibliotecas! Desviem o curso dos canais para inundar os museus! Empunhem as picaretas, os machados, os martelos e deitem abaixo sem piedade as cidades veneradas!

MARINETTI, F. T. Manifesto futurista. Disponível em: www.sibila.com.br. Acesso em: 2 ago. 2012 (adaptado).

Que princípio marcante do Futurismo e comum a várias correntes artísticas e culturais das primeiras três décadas do século XX está destacado no texto?

  1. A tradição é uma força incontornável.
  2. A arte é expressão da memória coletiva.
  3. A modernidade é a superação decisiva da história.
  4. A realidade cultural é determinada economicamente.
  5. A memória é um elemento crucial da identidade cultural.

04. (FAMECA) Nós cantaremos as grandes multidões movimentadas pelo trabalho [...]; a vibração noturna dos arsenais e dos estaleiros sob suas violentas luas elétricas; [...] as usinas suspensas nas nuvens pelos barbantes de suas fumaças; [...] as locomotivas de grande peito, [...] como enormes cavalos de aço.

(Filippo Tommaso Marinetti. “Manifesto do Futurismo”. In: Gilberto M. Teles. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro, 1986.)

O Manifesto do Futurismo foi publicado, pela primeira vez, no jornal francês Le Figaro, em 20 de fevereiro de 1909.

Observa-se, pela leitura do excerto, que o Futurismo enaltecia a experiência humana produzida

  1. pela diversificação industrial com o emprego de novos tipos de energia e de metais.
  2. pela superação da pintura e da literatura devido à criação industrial de imagens plásticas.
  3. pela onipresença de pequenas unidades produtoras nas sociedades europeias.
  4. pela semelhança do novo mundo industrial com as paisagens naturais românticas.
  5. pela libertação da humanidade do trabalho repetitivo em linhas de montagem.

05. (ENEM 2019) 1. Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito da energia e da temeridade.

2. A coragem, a audácia, a rebelião serão elementos essenciais de nossa poesia.

3. A literatura exaltou até hoje a imobilidade pensativa, o êxtase, o sono. Nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insônia febril, o passo de corrida, o salto mortal, o bofetão e o soco.

4. Nós afirmamos que a magnificência do mundo enriqueceu-se de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um automóvel de corrida com seu cofre enfeitado com tubos grossos, semelhantes a serpentes de hálito explosivo... um automóvel rugidor, que parece correr sobre a metralha, é mais bonito que a Vitória de Samotrácia.

5. Nós queremos entoar hinos ao homem que segura o volante, cuja haste ideal atravessa a Terra, lançada também numa corrida sobre o circuito da sua órbita.

6. E preciso que o poeta prodigalize com ardor, fausto e munificiência, para aumentar o entusiástico fervor dos elementos primordiais.

MARINETTI, F. T. Manifesto futurista. In: TELES, G. M. Vanguardas europeias e Modernismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

O documento de Marinetti, de 1909, propõe os referenciais estéticos do Futurismo, que valorizam a

  1. composição estática.
  2. inovação tecnológica.
  3. suspensão do tempo.
  4. retomada do helenismo.
  5. manutenção das tradições.

06. (Enem 2017) E venham, então, os alegres incendiários de dedos carbonizados! Vamos! Ateiem fogo às estantes das bibliotecas! Desviem o curso dos canais, para inundar os museus! Empunhem as picaretas, os machados, os martelos e deitem abaixo sem piedade as cidades veneradas!

MARINETTI, F. T. Manifesto futurista. Disponível em: www.sibíla.com.br. Acesso em: 2 ago. 2012 (adaptado).

Que princípio marcante do Futurismo e comum a várias correntes artísticas e culturais das primeiras três décadas do século XX está destacado no texto?

  1. A tradição é uma força incontornável.
  2. arte é expressão da memória coletiva.
  3. A modernidade é a superação decisiva da história.
  4. A realidade cultural é determinada economicamente.
  5. A memória é um elemento crucial da identidade cultural.

07. (ENEM PPL 2016)

TEXTO II

A existência dos homens criadores modernos é muito mais condensada e mais complicada do que a das pessoas dos séculos precedentes. A coisa representada, por imagem, fica menos fixa, o objeto em si mesmo se expõe menos do que antes. Uma paisagem rasgada por um automóvel, ou por um trem, perde em valor descritivo, mas ganha em valor sintético. O homem moderno registra cem vezes mais impressões do que o artista do século XVIII.

LEGÉR, F. Funções da pintura. São Paulo: Nobel, 1989.

A vanguarda europeia, evidenciada pela obra e pelo texto, expressa os ideais e a estética do

  1. Cubismo, que questionava o uso da perspectiva por meio da fragmentação geométrica.
  2. Expressionismo alemão, que criticava a arte acadêmica, usando a deformação das figuras.
  3. Dadaísmo, que rejeitava a instituição artística, propondo a antiarte.
  4. Futurismo, que propunha uma nova estéstica, baseada nos valores da vida moderna.
  5. Neoplasticismo, que buscava o equilíbrio plástico, com utilização da direção horizontal e vertical.

08. (UEA - SIS) Leia o trecho inicial do “Manifesto do Futurismo”, publicado por Filippo Tommaso Marinetti em 1909 no jornal Le Figaro em Paris.

1. Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito à energia e à temeridade.

2. Os elementos essenciais de nossa poesia serão a coragem, a audácia e a revolta.

3. Tendo a literatura até aqui enaltecido a imobilidade pensativa, o êxtase e o sono, nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insônia febril, o passo ginástico, o salto mortal, a bofetada e o soco.

(Apud Gilberto Mendonça Teles. Vanguarda europeia e Modernismo brasileiro, 1992.)

Considerando tais preceitos, assinale a alternativa cujos versos, extraídos da obra poética de Fernando Pessoa, revelam influência do Futurismo.

  1. Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
    Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
    Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do
    [outro
    Ouvindo correr o rio e vendo-o.
  2. Mas, ah outra vez a raiva mecânica constante!
    Outra vez a obsessão movimentada dos ônibus.
    E outra vez a fúria de estar indo ao mesmo tempo
    [dentro de todos os comboios
    De todas as partes do mundo,
    De estar dizendo adeus de bordo de todos os navios,
    Que a estas horas estão levantando ferro ou afastan-
    [do-se das docas.
  3. Súbita mão de algum fantasma oculto
    Entre as dobras da noite e do meu sono
    Sacode-me e eu acordo, e no abandono
    Da noite não enxergo gesto ou vulto.
    Mas um terror antigo, que insepulto
    Trago no coração, como de um trono
    Desce e se afirma meu senhor e dono
    Sem ordem, sem meneio e sem insulto.
  4. Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois
    Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada,
    E que para de onde veio volta depois
    Quase à noitinha pela mesma estrada.
  5. Passou a diligência pela estrada, e foi-se;
    E a estrada não ficou mais bela, nem sequer mais feia.
    Assim é a ação humana pelo mundo fora.
    Nada tiramos e nada pomos; passamos e esquecemos;
    E o sol é sempre pontual todos os dias.

09. (Unifesp) Leia um trecho do “Manifesto do Futurismo” publicado por Filippo Tommaso Marinetti (1876-1944) no ano de 1909.

Nós cantaremos as grandes multidões movimentadas pelo trabalho, pelo prazer ou pela revolta; as marés multicoloridas e polifônicas das revoluções nas capitais modernas; a vibração noturna dos arsenais e dos estaleiros sob suas luas elétricas; as estações glutonas comedoras de serpentes que fumam; as usinas suspensas nas nuvens pelos barbantes de suas fumaças; os navios aventureiros farejando o horizonte; as locomotivas de grande peito, que escoucinham os trilhos, como enormes cavalos de aço freados por longos tubos, e o voo deslizante dos aeroplanos, cuja hélice tem os estalos da bandeira e os aplausos da multidão entusiasta.

(Apud Gilberto Mendonça Teles. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro, 1992. Adaptado.)

Em consonância com este preceito do Futurismo estão os seguintes versos, extraídos da produção poética de Fernando Pessoa (1888-1935):

  1. Nas cidades a vida é mais pequena
    Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
    Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
    Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,
    Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
    E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.
  2. Ontem à tarde um homem das cidades
    Falava à porta da estalagem.
    Falava comigo também.
    Falava da justiça e da luta para haver justiça
    E dos operários que sofrem,
    E do trabalho constante, e dos que têm fome,
    E dos ricos, que só têm costas para isso.
    E, olhando para mim, viu-me lágrimas nos olhos
    E sorriu com agrado, julgando que eu sentia
    O ódio que ele sentia, e a compaixão
    Que ele dizia que sentia.
  3. Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
    Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
    Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
    Ouvindo correr o rio e vendo-o.
    Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
    No colo, e que o seu perfume suavize o momento – Este momento em que sossegadamente não cremos em nada,
    Pagãos inocentes da decadência.
  4. Levando a bordo El-Rei dom Sebastião,
    E erguendo, como um nome, alto o pendão
    Do Império,
    Foi-se a última nau, ao sol aziago
    Erma, e entre choros de ânsia e de pressago
    Mistério.
    Não voltou mais. A que ilha indescoberta
    Aportou? Voltará da sorte incerta
    Que teve?
  5. Amo-vos a todos, a tudo, como uma fera.
    Amo-vos carnivoramente,
    Pervertidamente e enroscando a minha vista
    Em vós, ó coisas grandes, banais, úteis, inúteis,
    Ó coisas todas modernas,
    Ó minhas contemporâneas, forma atual e próxima
    Do sistema imediato do Universo!
    Nova Revelação metálica e dinâmica de Deus!

10. (PUC-Campinas) Como todas as revoluções das vanguardas históricas, o Futurismo traduz logo nos seus primeiros textos o grito de ruptura de uma classe que não deseja mais pactuar com a estabilidade do sistema. Mas o grito de ruptura é dado com os elementos e valores típicos do mesmo grupo contestado. Os elementos “perigo”, “velocidade”, “energia”, “audácia”, “revolta”, “bofetada”, “soco” – inicialmente propostos com a finalidade de traduzir o vitalismo antiburguês do Futurismo – serão os mesmos, desenvolvidos, que levarão o movimento a concluir no fascismo.

(Sílvio Castro. Teoria e política do modernismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1979. p. 34 e 35)

No Brasil, ocorreram ecos vanguardistas do Futurismo, tal como se pode depreender destes versos de Mário de Andrade:

  1. Sobreviventes da pureza antiga,
    as penas brancas, no debrum das asas.
  2. No cavalo da frente o atro anjo infiel
    Com façanhas de guerra se compraz.
  3. passa galhardo um filho de imigrante
    loiramente domando um automóvel!
  4. Um luar amplo me inunda, e eu ando
    Em visionária luz a nadar
  5. Um sonho de mancebo e de poeta.
    El-Dorado de amor que a mente cria

11. (UEL) Considerando as transformações da Arte Moderna em relação ao Período Acadêmico, observe as figuras 6 e 7 das obras futuristas e leia o texto a seguir.

Para os futuristas, os objetos não se esgotavam no contorno aparente e os seus aspectos se interpenetravam continuamente, devido, sobretudo, à nossa visão, que é dinâmica e vê vários espaços a um só tempo ou vários tempos num só espaço.

(DELL’ARCO, M. F., 1968, apud MORAIS, F. Arte é o que eu e você chamamos arte. Rio de Janeiro: Record, 2000. p.254.)

Com base nas figuras, no texto e nos conhecimentos a respeito do movimento Futurista, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas a seguir.

( ) A partir do contato com o Cubismo, os futuristas investiram menos no tema e se aplicaram a complementar seu divisionismo colorista com uma fragmentação formal do tipo cubista. As obras futuristas demonstravam a possibilidade de usar a arte como meio para captar os aspectos de um entorno dinâmico. O divisionismo lhes permitia imprimir um ritmo dinâmico na composição.

( ) Boccioni, em seu Manifesto da Escultura Futurista, proclamou o uso de um único tipo de material na escultura. Enfatizou a imitação de fórmulas herdadas do passado baseadas na cópia do modelo nu e no estudo da estatuária clássica.

( ) Enquanto, no Cubismo, a geometrização enfatiza a estrutura formal do motivo representado, a fragmentação futurista tem a meta de criar elementos lineares (“linhas de força”) que podem ser seriados para produzir um efeito de movimento. A coerência formal no Futurismo tem importância secundária.

( ) O Futurismo italiano foi impulsionado na primeira década do século XXI pelas exposições e imagens do Realismo e do Neoclassicismo, sendo também influenciado pelo Expressionismo alemão.

( ) O Futurismo teve sua origem em uma maneira de entender a civilização, considerando o dinamismo como sensação típica do “nosso” tempo a ser buscada na pintura e na escultura. Em alguns aspectos foi um movimento radical que rechaçou todas as tradições, valores e instituições sempre respeitados. Valorizou o registro da velocidade como valor plástico.

Assinale a alternativa que contém, de cima para baixo, a sequência correta.

  1. V, V, V, F, F.
  2. V, V, F, V, F.
  3. V, F, V, F, V.
  4. F, V, F, V, F.
  5. F, F, V, F, V.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp