Home > Banco de Questões > Filosofia > Filosofia Moderna >Empirismo Britânico

Empirismo Britânico

Lista de 10 exercícios de Filosofia com gabarito sobre o tema Empirismo Britânico com questões de Vestibulares.

Os principais filósofos do Empirismo Britânico foram John Locke, George Berkeley e David Hume.


Você pode conferir as videoaulas, conteúdo de teoria, e mais questões sobre o tema aqui.



01.(UNICAMP-SP) A maneira pela qual adquirimos qualquer conhecimento constitui suficiente prova de que não é inato.

(John Locke, Ensaio acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1988, p.13.)

O empirismo, corrente filosófica da qual Locke fazia parte,

  1. afirma que o conhecimento não é inato, pois sua aquisição deriva da experiência.
  2. é uma forma de ceticismo, pois nega que os conhecimentos possam ser obtidos.
  3. aproxima-se do modelo científico cartesiano, ao negar a existência de ideias inatas.
  4. defende que as ideias estão presentes na razão desde o nascimento.

02. (Unesp) Posto que as qualidades que impressionam nossos sentidos estão nas próprias coisas, é claro que as ideias produzidas na mente entram pelos sentidos. O entendimento não tem o poder de inventar ou formar uma única ideia simples na mente que não tenha sido recebida pelos sentidos. Gostaria que alguém tentasse imaginar um gosto que jamais impressionou seu paladar, ou tentasse formar a ideia de um aroma que nunca cheirou. Quando puder fazer isso, concluirei também que um cego tem ideias das cores, e um surdo, noções reais dos diversos sons.

(John Locke. Ensaio acerca do entendimento humano, 1991. Adaptado.)

De acordo com o filósofo, todo conhecimento origina-se

  1. da reminiscência de ideias originalmente transcendentes.
  2. da combinação de ideias metafísicas e empíricas.
  3. de categorias a priori existentes na mente humana
  4. da experiência com os objetos reais e empíricos.
  5. de uma relação dialética do espírito humano com o mundo.

03. (Mackenzie-SP) John Locke (1632-1704) é um dos fundadores do empirismo. Atualmente, é pouco lido. Muito ganharíamos, entretanto, se nos ocupássemos novamente dos tratados sobre o governo civil, com a carta sobre a tolerância e, particularmente, com o ensaio sobre o entendimento humano.

Assinale a alternativa que apresenta um fragmento do seu pensamento.

  1. O direito de propriedade é a base da liberdade humana porque todo homem tem uma propriedade que é sua própria pessoa. O governo existe para proteger esse direito.
  2. Há uma busca de equilíbrio entre a autoridade do poder e a liberdade do cidadão. Para que ninguém possa abusar da autoridade, é preciso que, pela disposição das coisas, o poder detenha o poder. Daí a separação entre poderes legislativo, executivo e judiciário.
  3. A organização do mundo e sua finalidade interna só se explicam pela existência de um Criador inteligente: Este mundo me espanta e não posso imaginar / Que este relógio exista e não tenha relojoeiro.
  4. Deve haver exaltação da razão e da dúvida: Existe, porém, uma coisa de que não posso duvidar, mesmo que o demônio queira sempre me enganar. Mesmo que tudo o que penso seja falso, resta a certeza de que eu penso. Nenhum objeto de pensamento resiste à dúvida, mas o próprio ato de duvidar é indubitável.
  5. O regime democrático deve ser aquele que tem a aptidão de manter vigentes os termos do pacto social, bem como os dispositivos garantidores da liberdade político-contratual. O povo inglês pensa ser livre, mas engana-se grandemente; só o é durante a eleição dos membros do parlamento: assim que estes são eleitos, é escravo; nada é.

04. (UEA) Nada pode parecer mais ilimitado que o pensamento humano, que está livre até mesmo dos limites da natureza e da realidade. Enquanto o corpo está confinado a um único planeta, o pensamento pode transportar-nos às mais distantes regiões do universo. Aquilo que nunca foi visto, pode assim ser concebido. Mas, um exame mais cuidadoso nos mostrará que esse poder criador da mente consiste meramente na capacidade de compor, transpor, aumentar ou diminuir os materiais que os sentidos nos fornecem. Quando pensamos em uma montanha de ouro, estamos apenas juntando duas ideias consistentes, ouro e montanha, com as quais estávamos anteriormente familiarizados.

(David Hume. Investigações sobre o entendimento humano, 2004. Adaptado.)

David Hume publicou Investigações sobre o entendimento humano em 1748. O excerto resume o conteúdo de sua filosofia

  1. transcendental, que define o espaço e o tempo como formas a priori.
  2. existencialista, que abrange a existência do ente humano na sua totalidade.
  3. empirista, que deduz da experiência os princípios da razão.
  4. racionalista, que considera os homens unidos pelo bom senso.
  5. idealista, que confere o grau de certeza às ideias claras e distintas.

05. (Unespar) Leia o trecho abaixo, retirado do ensaio “Do padrão do gosto”, de David Hume.

“É com boa razão, diz Sancho ao cavaleiro narigudo, que pretendo julgar de vinhos: esta é uma qualidade hereditária em nossa família. Dois de meus parentes foram certa vez chamados a opinar sobre um barril de vinho supostamente excelente, pois era antigo e de boa safra. Um deles o saboreia, considera e, após madura reflexão, declara que o vinho é bom, não fosse por um ressaibo de couro que percebera nele. O outro, depois de usar as mesmas precauções, também dá veredicto favorável ao vinho, com a ressalva de um gosto de ferro que facilmente distinguira ali. Não pode imaginar o quanto ambos foram ridicularizados por seus juízos. Mas quem riu por último? Esvaziado o barril, encontrou-se no fundo dele uma velha chave de ferro presa a uma correia de couro.”

(HUME, 2011, p. 180)

Assinale a alternativa que mais se aproxima da ideia exposta no texto acima.

  1. Segundo Hume, a beleza é uma característica difícil de perceber e por isso é necessário construir um método preciso;
  2. Segundo Hume, o paladar é o mais impreciso dos sentidos e por isso houve a diferença no julgamento narrado na história de Dom Quixote;
  3. Para Hume, a construção do padrão do gosto depende de entender que a beleza é uma característica das coisas mesmas;
  4. Para Hume, a construção do padrão do gosto depende de entender que a beleza é uma característica subjetiva e não das coisas mesmas;
  5. Segundo Hume, a beleza é um conceito que só pode ser construído pela experiência.

06. (UECE) “Que estas colônias unidas são e têm o direito de ser Estados livres e independentes, que estão desoneradas de qualquer lealdade para com a Coroa Britânica e que todo vínculo político entre elas e o Estado da Grã-Bretanha está e deve ficar totalmente dissolvido.”

Declaração de Independência dos Estados Unidos, 4 de julho de 1776, Http://www.usacitylink.com/usa/declaration. html

Sobre a Declaração de Independência americana, é correto afirmar-se que

  1. é plena de propostas conservadoras e voltadas para o fisiocratismo.
  2. inspirada em J. Locke, sintetiza as ideias liberais e democráticas da época.
  3. possui trechos que indicam o fortalecimento do poder real na América.
  4. solucionou os problemas entre brancos e índios pela posse das terras do oeste

07. (UNICENTRO) Em termos de Filosofia Política, Thomas Hobbes é um pensador da modernidade que apresenta concepções de poder muito próximas das ideias predominantes na nobreza de sua época. Sobre o pensamento deste autor, analise como V (verdadeira) ou F (falsa) as seguintes afirmações.

( ) Hobbes viveu no século XIX e defendeu com veemência o papel da liberdade de pensamento e de ação na sociedade dominada pelo poder absoluto dos Reis.

( ) De acordo com Thomas Hobbes, o homem, em seu estado de natureza, não dominaria seus impulsos e viveria em um ambiente de guerra de todos contra todos, pois, sem o controle do Estado, “o homem é lobo do homem”.

( ) Vivendo em um contexto em que começam a se construir ideias liberais, Hobbes, partidário do Absolutismo, faz de sua filosofia política uma defesa do papel do Estado no controle da ordem social.

( ) Hobbes defende a importância de uma espécie de contrato, pelo qual os súditos abdicam de suas liberdades e conferem poder soberano ao Rei, a quem compete decidir sobre o bem e o mal, sobre o justo e o injusto.

( ) Thomas Hobbes utiliza-se da figura do Leviatã para definir o papel do Estado: um gigante cuja carne é a mesma de todos os homens pertencentes ao Estado, a quem ele defende.

Marque a alternativa correta.

  1. todas as alternativas são verdadeiras.
  2. V, F, F, F e F.
  3. F, V, V,V e F.
  4. V, V, F, V e V.
  5. F, V, V, V e V.

08. Leia atentamente o seguinte excerto:

“A liberdade do homem em sociedade consiste em não estar submetido a nenhum outro poder legislativo senão àquele estabelecido no corpo político mediante consentimento, nem sob o domínio de qualquer vontade ou sob a restrição de qualquer lei afora as que promulgar o poder legislativo, segundo o encargo a este confiado”.

LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. Martins Fontes, 1998, p. 401-402. Adaptado.

Considerando a definição de liberdade do homem em sociedade, de John Locke, atente para as seguintes afirmações:

I. A concepção de liberdade do homem em sociedade de Locke elimina totalmente o direito de cada um de agir conforme a sua vontade.

II. A concepção de liberdade do homem em sociedade de Locke consiste em viver sob a restrição das leis promulgadas pelo poder legislativo.

III. A concepção de liberdade do homem em sociedade de Locke consiste em viver segundo uma regra permanente e comum que todos devem obedecer.

É correto o que se afirma em

  1. I e II apenas.
  2. I e III apenas.
  3. II e III apenas.
  4. I, II e III.

09. (UEG-GO) Um dos aspectos mais importantes da filosofia política de John Locke é sua defesa do direito à propriedade, que ele considerava ser algo inerente à natureza humana, uma vez que o corpo é nossa primeira propriedade. De acordo com esta perspectiva, o Estado deve

  1. permitir aos seus cidadãos ter propriedade ou propriedades.
  2. garantir que todos os seus cidadãos, sem exceção, tenham alguma propriedade.
  3. garantir aos cidadãos a posse vitalícia de bens.
  4. fazer com que a propriedade seja comum a todos os cidadãos.

10. (UFU) David Hume escreveu que “podemos, por conseguinte, dividir todas as percepções do espírito em duas classes ou espécies, que se distinguem por seus diferentes graus de força e vivacidade”. (HUME, D. Investigação acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1989, p. 69). Assinale a ÚNICA alternativa, que apresenta estas duas classes de percepções:

  1. as ideias e as impressões.
  2. as idéias inatas e os dogmas religiosos.
  3. as certezas evidentes e os hábitos sociais.
  4. as superstições e as intuições intelectuais.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp