Home > Banco de Questões > Filosofia > Filosofia Contemporânea > Existencialismo

Existencialismo

Lista de 10 exercícios de Filosofia com gabarito sobre o tema Existencialismo com questões de Vestibulares.


Você pode conferir as videoaulas, conteúdo de teoria, e mais questões sobre o tema aqui.



01. (UPE) Atente ao texto a seguir referente à concepção filosófica da liberdade humana:

Sartre afirma que estamos condenados à liberdade. É ela que define a humanidade dos humanos, sem escapatória. Para o filósofo, é a escolha incondicional que o próprio homem faz de seu ser e de seu mundo.

(CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia, 1996, p. 361. Adaptado)

A autora salienta acima o enfoque filosófico da liberdade no pensamento de Jean-Paul Sartre.

Sobre esse enfoque, é CORRETO afirmar que tais ideias estão alinhadas à concepção

  1. essencialista.
  2. materialista.
  3. existencialista.
  4. espiritualista.
  5. realista.

02. (UFU) Considere o seguinte trecho, extraído da obra A náusea, do escritor e filósofo francês Jean Paul Sartre (1889-1980).

“O essencial é a contingência. O que quero dizer é que, por definição, a existência não é a necessidade. Existir é simplesmente estar presente; os entes aparecem, deixam que os encontremos, mas nunca podemos deduzi-los. Creio que há pessoas que compreenderam isso. Só que tentaram superar essa contingência inventando um ser necessário e causa de si próprio. Ora, nenhum ser necessário pode explicar a existência: a contingência não é uma ilusão, uma aparência que se pode dissipar; é o absoluto, por conseguinte, a gratuidade perfeita.”

SARTRE, Jean Paul. A Náusea. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986. Tradução de Rita Braga, citado por: MARCONDES, Danilo Marcondes. Textos Básicos de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2000.

  1. recusa da noção de que tudo é contingente.
  2. fundamentado no conceito de angústia, que deriva da consciência de que tudo é contingente.
  3. denúncia da noção de má fé, que nos leva a admitir a existência de um ser necessário para aplacar o sentimento de angústia.
  4. crítica à metafísica essencialista.

03. (ENEM 2020) Em A morte de Ivan llitch, Tolstoi descreve com detalhes repulsivos o terror de encarar a morte iminente. Ilitch adoece depois de um pequeno acidente e logo compreende que se encaminha para o fim de modo impossível de parar. “Nas profundezas de seu coração, ele sabia estar morrendo, mas em vez de se acostumar com a ideia, simplesmente não o fazia e não conseguia compreendê-la”.

KAZEZ. J O peso das coisas filosofia para o bem-viver. Rio de Janeiro: Tinta Negra. 2004.

O texto descreve a experiência do personagem de Tolstoi diante de um aspecto incontornável de nossas vidas.

Esse aspecto foi um tema central na tradição filosófica

  1. marxista, no contexto do materialismo histórico.
  2. logicista, no propósito de entendimento dos fatos.
  3. utilitarista, no sentido da racionalidade das ações.
  4. pós-modernista, na discussão da fluidez das relações.
  5. existencialista, na questão do reconhecimento de si.

04. (UPE) Se a filosofia deve ser, ao mesmo tempo, totalização do saber, método, ideia reguladora, arma ofensiva e comunidade de linguagem; se essa ‘visão do mundo’ é também um instrumento que trabalha as sociedades carcomidas; se essa concepção singular de um homem ou de um grupo de homens torna-se a cultura e, por vezes, a natureza de toda uma classe, fica bem claro que as épocas de criação filosófica são raras.

SARTRE, Jean Paul. Questão de Método. São Paulo: Difel, 1979.

A ideia filosófica de Sartre, no texto acima, considera como o mais alto grau de conhecimento:

  1. a reflexão crítica do homem na sua existência.
  2. o valor do conhecimento no âmbito da essência.
  3. a concepção do homem como criação divina.
  4. o primado do conhecimento revelado.
  5. a raridade do conhecimento absoluto.

05. (UFU) Quero ensinar aos homens o sentido do seu ser: o qual é o super-homem [Übermensch], o raio vindo da negra nuvem homem.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. p. 21.

No fragmento, o filósofo propõe algo que possa fazer com que as pessoas ultrapassem as convenções sociais que tornam os homens submissos à moral do escravo e ao espírito de rebanho.

Assinale a alternativa que expressa a tarefa a ser realizada para a superação da submissão humana.

  1. Ensinar o sentido do ser significa admitir que há uma verdade secreta e superior ao homem que o torna pequeno e submisso à moral vigente, mas que lhe promete recompensas em uma vida além deste mundo.
  2. Ensinar o sentido do ser equivale ao estabelecimento do critério para a transvaloração de todos os valores sociais, o que dará ao homem a prerrogativa para formar os seus próprios valores.
  3. Ensinar o sentido do ser significa descobrir o Deus da tradição como o fundamento que faz de cada indivíduo um escravo que deve se sentir feliz com a sua situação, pois só assim obterá uma felicidade eterna.
  4. Ensinar o sentido do ser significa promover o espírito de rebanho que acolhe o super-homem e o faz entender que a virtude está na subordinação da vida aos ditames da moral do escravo que faz da fraqueza a maior virtude.

06. (Enem 2016) Ser ou não ser — eis a questão.

Morrer — dormir — Dormir! Talvez sonhar. Aí está o obstáculo!

Os sonhos que hão de vir no sono da morte

Quando tivermos escapado ao tumulto vital

Que dá à desventura uma vida tão longa.

SHAKESPEARE, W. Hamlet, Porto Alegre: L&PM, 2007.

Este solilóquio pode ser considerado um precursor do existencialismo ao enfatizar a tensão entre

  1. consciência de si e angústia humana.
  2. inevitabilidade do destino e incerteza moral.
  3. tragicidade da personagem e ordem do mundo.
  4. racionalidade argumentativa e loucura iminente.
  5. dependência paterna e impossibilidade de ação.

07. (UFU) A respeito da filosofia existencialista de Jean-Paul Sartre, é correto afirmar que:

  1. O homem é o puro agir, e essa liberdade não conhece nenhuma responsabilidade.
  2. O homem é dotado de uma natureza humana imutável que determina o seu ser.
  3. O homem de início não é nada, ele será aquilo que fizer de si mesmo.
  4. A vida segue um designo superior que submete o homem ao destino.

08. (IFPR) Jean Paul Sartre explica em “O existencialismo é um Humanismo”:

  1. Que não há essência humana definida, já que o homem primeiro existe para construir sua essência.
  2. O homem precisa seguir sua essência de nascimento, dando sentido a sua existência.
  3. O homem deve conformar-se ao seu destino, nada podendo fazer para mudá-lo.
  4. A liberdade humana está intimamente ligada à obediência civil, já que livre é o homem que obedece a leis que ajudou a criar.
  5. A existência humana esta fatalmente determinada pelo meio social em que se vive.

09. (UFSM) O filósofo alemão Ludwig Feuerbach (1804-1872) afirmou a tese materialista de que o “homem é aquilo que come”. Uma concepção semelhante foi defendida posteriormente por Karl Marx.Qual(is) da(s) asserção(ões) a seguir expressa(m) corretamente essa ideia materialista no pensamento de Marx?

I - A exploração do trabalhador pelos donos dos meios de produção é mantida pela consciência de classe.

II - A classe dominante tem como fim último a tomada do poder através da ação do proletariado.

III - As relações econômicas determinam a consciência do homem como ser social.

Está(ão) correta(s)

  1. apenas I.
  2. apenas III.
  3. apenas I e II.
  4. apenas II e III.
  5. I, II e III.

10. (UFU) Mas se verdadeiramente a existência precede a essência, o homem é responsável por aquilo que é. Assim, o primeiro esforço do existencialismo é o de pôr todo homem no domínio do que ele é e de lhe atribuir a total responsabilidade da sua existência. E, quando dizemos que o homem é responsável por si próprio, não queremos dizer que o homem é responsável pela sua restrita individualidade, mas que é responsável por todos os homens. [...] Assim, a nossa responsabilidade é muito maior do que poderíamos supor, porque ela envolve toda a humanidade.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Trad. Vergílio Ferreira. Lisboa: Presença, 1970. Apud ARANHA, M. L. de Arruda e MARTINS, M. H. Pires. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 2009.

Conforme o texto, é correto afirmar que, para o existencialismo,

  1. o homem não é responsável por todos os seus atos, pois a sociedade o limita.
  2. a humanidade é responsável pelo fato de os homens não terem plena liberdade.
  3. a sociedade limita as pessoas, logo não somos responsáveis por nossas ações.
  4. a responsabilidade não é restrita ao indivíduo, estende-se a toda humanidade.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp