Home > Banco de questões > História > Militares >

Brasil Colônia

Lista de 15 exercícios de História do Brasil com gabarito sobre o tema Brasil Colônia com questões de vestibulares militares.



01. (CN) Leia o texto a seguir.

“Deu no Mercurio Portuguez: "... e do Brasil virá também o galeão chamado Padre Eterno, que se faz no Rio de Janeiro, e é o mais famoso baixel de guerra que os mares jamais viram”. A gazeta mensal lisboeta trazia a notícia acima fechando a edição de março de 1665. O periódico de Antônio de Souza de Macedo, secretário de estado do Reino de Portugal, se referia ao barco de 53 metros (m), que deslocava 2 mil toneladas (t), com um mastro feito num só tronco de 2,97 m de circunferência na base. O navio começou a ser construído em 1659 a mando do governador da capitania do Rio, Salvador Correia de Sã e Benevides, na Ilha do Governador, em um local conhecido como Ponta do Galeão (onde fica hoje o Aeroporto Internacional Tom Jobim). Militar e político português, dono de engenhos e currais, Sá fez o mais potente galeão que pôde para evitar depender da proteção das frotas do governo ao se aventurar no comércio pelos mares.”

MARCOLIN, Neldson. Por mares sempre navegados. Disponível em: htip:/revistapesquisa.fapesp.br/2011/11/30/por-mares-sempre-navegados. Acesso em: 09 de abril de 2019.

É correto afirmar que a existência de estaleiros destinados à construção de grandes navios no Brasil do século XVII demonstrava

  1. que o Brasil possuía uma economia dinâmica que superava Portugal e Inglaterra na produção naval.
  2. que a indústria naval apenas servia para transportar o açúcar para a Europa.
  3. que havia outras atividades econômicas na colônia, além da produção e exportação de cana-de-açúcar.
  4. a necessidade de numerosas embarcações para a navegação fluvial no Brasil, como o galeão Padre Eterno.
  5. a existência de colonizadores franceses no Brasil, os únicos capazes de construir grandes navios.

02. (EsPCEx) Esteve relacionado com as causas da Revolta de Beckman a(o)(s)

  1. elevação de Recife à condição de vila (município), o que provocou forte reação dos olindenses.
  2. obstáculos que os jesuítas impunham à escravização dos indígenas.
  3. conflitos entre colonos em disputa pela riqueza aurífera.
  4. ideal republicanista, estando seus líderes influenciados pela Independência dos Estados Unidos.
  5. forte desejo de independência, inspirado nos ideais iluministas de igualdade e liberdade.

03. (ESA) Durante os séculos XVI e XVII, no Brasil, ocorreram diversas rebeliões que refletiam a divergência de interesses entre colônia e metrópole.

Dentre essas revoltas, pode-se destacar, respectivamente, com seu objetivo a:

  1. Conjuração baiana, movimento da elite baiana que, embora identificada com as ideias da revolução francesa ,não trazia em seu programa de revolução a abolição da escravidão
  2. Revolta de Beckman, ocorrida no Maranhão que devido a insatisfação com a Companhia de Comércio do Estado do Maranhão, propunha a abolição do monopólio desta companhia
  3. Guerra dos mascates, ocorrida em Pernambuco, um conflito de interesses de senhores de engenho de Olinda e senhores de engenho de recife, que disputavam mercado consumidor de cana-de açúcar
  4. Conjuração carioca, organizada por escravos libertos que buscavam melhores condições de trabalhos nas casas das aristocracia fluminense.
  5. Inconfidência mineira, que objetivava a abolição da escravidão, pois desejava a ampliação do mercado interno com mudança nas relações de trabalho na região

04. (EsPCEx) A estrutura econômica implantada por Portugal, no Brasil-Colônia, existente no século XVII, tinha como base

  1. pequenas propriedades distribuídas a portugueses natos, destinadas à produção de subsistência, para garantir a posse da terra.
  2. pequenas propriedades com policultura de alimentos necessários na Europa, como trigo e carne, utilizando mão-de-obra indígena escrava.
  3. grandes propriedades com monocultura de produtos tropicais, de alto valor na Europa, como o açúcar.
  4. grandes propriedades com monocultura de produtos tropicais, utilizando mão-de-obra indígena no sistema de parceria.
  5. grandes propriedades com policultura de produtos tropicais voltados para o mercado interno, utilizando mão-de-obra assalariada.

05. (EsPCEx) Do ponto de vista econômico, o sistema de capitanias, implantado em 1534, não alcançou os resultados esperados pelos portugueses. Entre as poucas capitanias que progrediram e obtiveram lucros, principalmente com a produção de açúcar, estavam as de

  1. Rio Grande e Itamaracá.
  2. São Vicente e Rio Grande.
  3. Santana e Ilhéus.
  4. Maranhão e Pernambuco.
  5. São Vicente e Pernambuco.

06. (EsPCEx) “No final do século XVIII, começaram a ocorrer movimentos de emancipação política no Brasil-Colônia, como a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana”

(COSTA; MELLO, 2006).

Contribuiu(íram) para o surgimento desses movimentos

  1. as idéias dos padres jesuítas, que defendiam a igualdade entre brasileiros e portugueses, e o liberalismo econômico colocado em prática pelo Marquês de Pombal, a partir de 1750.
  2. os ideais do Iluminismo e a reação ao aumento da opressão econômica de Portugal sobre o Brasil, representados pela taxação severa sobre o ouro das “Gerais” e a proibição de manufaturas.
  3. as rebeliões de escravos, que eram apoiados pelos homens livres pobres da colônia.
  4. as guerras que aconteciam neste momento na Europa, que enfraqueciam o governo português.
  5. o decidido apoio americano a estes movimentos, em armas e dinheiro, após o término da guerra de Independência dos Estados Unidos.

07. (CN) Leia o texto a seguir.

Em 1682, foi criada a Companhia Geral do Comércio do Estado do Maranhão, com o objetivo de controlar os atritos entre fazendeiros e religiosos na disputa pelo trabalho indígena, mais barato que o africano, e incentivar a produção local... A companhia venderia aos habitantes do Maranhão produtos europeus, como azeite, vinho e tecidos, e deles compraria o que produzissem, como algodão, açúcar, madeira e as drogas do sertão, para comercializar na Europa. Também deveria fornecer à região quinhentos escravos por ano, uma fonte alternativa de mão de obra, diante da resistência jesuítica em permitir a escravidão de nativos. Os preços cobrados pela companhia, entretanto, eram abusivos, e ela não cumpria os acordos, como o fornecimento de escravos.

VICENTINO, Claudio e DORIGO, Gianpaolo — História Geral e do Brasil -— Editora Scipione, SP, 2010 - p. 358

O texto acima descreve uma situação que colaborou para o acontecimento de um conflito, no período colonial brasileiro ocorrido na segunda metade do século XVII, que ficou conhecido como

  1. Revolta de Beckman.
  2. Guerra dos Mascates.
  3. Guerra dos Emboabas.
  4. Revolta de Felipe dos Santos.
  5. Revolta de Amador Bueno.

08. (EsPCEx) “A exploração de ouro no Brasil fez com que a metrópole ampliasse a fiscalização e aumentasse a tributação.”

(SCHNEEBERGER; CANTELE; BARBEIRO, 2005, p.231)

Dentro dessa concepção, Portugal criou as Ordenações Filipinas, leis impostas ao Brasil, estabelecendo que

  1. a exploração de ouro seria permitida apenas aos nascidos no Brasil.
  2. a exploração de ouro seria permitida apenas aos portugueses e filhos de portugueses.
  3. haveria a livre exploração, sem qualquer restrição.
  4. haveria a livre exploração, desde que fosse recolhido aos cofres públicos o quinto do ouro extraído.
  5. haveria a livre exploração, desde que fossem recolhidos aos cofres públicos 50% do ouro extraído.

09. (ESA) A Revolta dos Malês foi um movimento de escravos africanos, muitos dos quais eram muçulmanos, ocorrido em 1835 na seguinte província:

  1. Maranhão Maranhão
  2. Grão-Pará
  3. Bahia
  4. Pernambuco
  5. Minas Gerais

10. (EsPCEx) Na segunda metade do século XVIII, durante a administração do marquês de Pombal (1750 a 1777), foram adotadas medidas que objetivavam tornar mais ágil e eficiente a administração da colônia portuguesa do Brasil, dentre as quais se destaca:

  1. a elevação do Estado do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarve.
  2. o reconhecimento da importância das Regiões do Sul e Sudeste, em função do incremento do ciclo econômico do café.
  3. a transferência da capital do estado do Brasil, de Salvador para o Rio de Janeiro.
  4. o estado do Grão-Pará e Maranhão recebeu a denominação de estado do Maranhão.
  5. a restauração do sistema de Capitanias Hereditárias.

11. (ESA) O Primeiro Governo Geral do Brasil foi instalado em:

  1. São Luís.
  2. Fortaleza.
  3. Olinda.
  4. Salvador.
  5. Rio de Janeiro.

12. (EsPCEx) Durante o período conhecido por União Ibérica, ocorreu o Embargo Espanhol ao comércio das colônias portuguesas com os holandeses. Isto motivou a Holanda a atacar o Nordeste brasileiro com a finalidade de romper o embargo e reativar as rotas comerciais entre o Brasil e a Europa. É fato relacionado à primeira investida dos holandeses ao Brasil, ocorrida em 08 de maio de 1624, a (o)(s)

  1. conquista de Porto Calvo por Matias de Albuquerque.
  2. ocupação de Salvador.
  3. governo de Maurício de Nassau.
  4. fundação do Arraial do Bom Jesus.
  5. Batalhas de Guararapes.

13. (ESA) Em 1815, o Brasil foi elevado à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves.

Na prática:

  1. foi a causa da Inconfidência Mineira.
  2. nada significou para o Brasil.
  3. provocou enorme satisfação em Portugal.
  4. o Brasil volta à condição de colônia.
  5. o Brasil adquiria autonomia administrativa.

14. (CN) Observe o trecho abaixo e responda a questão a seguir.

“Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil”

Laurentino Gomes

O Trecho, de Laurentino Gomes, autor de 1808, refere-se a um momento que foi decisivo para a ruptura do Pacto Colonial sobre o Brasil.

Entre os diversos acordos e medidas relacionadas a esse momento podemos citar EXCETO:

  1. a assinatura do Tratado de 1810 com a Inglaterra que, a partir de novas tarifas alfandegárias, garantiam privilégios econômicos aos ingleses no Brasil.
  2. o estabelecimento do ato de 1º de abril de 1808, onde foi ratificado o Alvará de 1792 que estabelecia a abertura dos portos às Nações Amigas, assim que a realeza chegasse ao Brasil.
  3. a assinatura, em 1810, de tratados com a Inglaterra, onde entre outros itens, dispunha sobre a liberdade de culto.
  4. a criação da Imprensa Real, da Academia Real Militar, da Academia de Belas-Artes, da Biblioteca Real, além das escolas de Medicina da Bahia e do Rio de Janeiro.
  5. a assinatura, por D. João, da lei de dezembro de 1815 elevando o Brasil a categoria de Reino Unido de Portugal e Algarves.

15. (CN) Leia o texto a seguir.

“Eu, ElRei, faço saber a vós, Tomé de Sousa, fidalgo de minha casa, que vendo eu quanto serviço de Deus e meu é conservar e enobrecer as Capitanias e povoações das terras do Brasil e dar ordem e maneira com que melhor e mais seguramente se possam ir povoando, para exalçamento da nossa Santa Fé e proveito de meus Reinos e Senhorios, e dos naturais deles, ordenei ora de mandar nas ditas terras fazer uma fortaleza e povoação grande e forte, em um lugar conveniente, para daí se dar favor e ajuda às outras povoações e se ministrar justiça e prover nas cousas que cumprirem a meu serviço e aos negócios de minha Fazenda e a bem das partes.”

Fonte: Regimento que levou Tomé de Sousa Governador do Brasil, Almerím,17/12/1548.Lisboa, Arquivo Histórico Ultramarino (AHU), códice 112, fis 1-9.

Sobre o texto, que é um importante marco da História do Brasil, é correto afirmar que representava

  1. o objetivo da monarquia portuguesa de iniciar a colonização do Brasil cedendo territórios para que grupos particulares pudessem explorá-los a custa de seus próprios recursos, enquanto o governo atuaria como uma espécie de órgão regulador do que ficou conhecido como Capitanias Hereditárias.
  2. a pretensão do governo português em promover a colonização efetiva do território brasileiro e de estimular a produção colonial, sendo um dos seus primeiros atos a construção de uma cidade para ser a capital da colônia, concretizada por Tomé de Sousa com a fundação de São Salvador em 1549.
  3. o desejo português de não investir recursos no território colonial do Brasil, permitindo que grupos privados construíssem feitorias com dois objetivos: a exploração do pau-brasil realizada a partir do escambo com os indígenas e a proteção das ameaças estrangeiras.
  4. o primeiro passo para o processo de povoamento da colônia, que previa a criação de uma capital estruturada no modelo espanhol de ocupação do território, além da construção de estradas e sistemas de coleta de esgoto em locais estratégicos, que serviriam de base para o surgimento de novas cidades.
  5. a ocupação efetiva do território colonial, principalmente após a descoberta de jazidas de ouro no interior da colônia, que demandou mais recursos do governo português para a defesa da região de invasores estrangeiros e de piratas que desejavam roubar as riquezas do Brasil.
.