Home > Banco de Questões > História > >

Brasil Colônia

Lista de 18 exercícios sobre História com gabarito sobre o tema Brasil Colônia com questões da Mackenzie.



01. (Mackenzie 2019) “ A grande lavoura açucareira na colônia brasileira iniciou-se com o uso extensivo da mão de obra indígena (...) Do ponto de vista dos portugueses, no período de escravidão indígena, o sistema de relações de trabalho era algo que fora pormenorizadamente elaborado. Tal período foi também aquele em que o contato entre os europeus e o gentio começou a criar categorias e definições sociais e raciais que caracterizaram continuamente a experiência colonial.”

(Schwartz, Stuart B. Segredos Internos: Engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Cia das Letras, 2005, p. 57)

Sobre o trabalho escravo durante o período colonial é correto afirmar que

  1. o uso da mão de obra indígena estendeu-se durante todo o período colonial. No primeiro momento, durante a extração do pau-brasil, os portugueses utilizavam o escambo. No segundo momento, a partir da produção canavieira, foi organizada a escravidão dos povos indígenas.
  2. desde o primeiro contato com os portugueses, os indígenas foram submetidos ao trabalho escravo. Seja na extração do pau-brasil seja na grande lavoura canavieira, o sistema escravista baseado na mão de obra nativa predominou diante de outras formas de trabalho.
  3. a partir da necessidade de mão de obra para a produção canavieira, os povos indígenas foram submetidos à escravidão. Porém, a partir da chegada dos primeiros grupos de africanos, a escravidão indígena foi paulatinamente abandonada até chegar ao fim em meados do século XVII.
  4. a escravidão indígena foi implantada durante o chamado Período Pré-colonial e tinha como objetivo usar o máximo de mão de obra para a extração do pau-brasil. Com a implantação da grande lavoura e a chegada dos africanos, a escravidão indígena perdeu força e foi abandonada no século XVIII.
  5. após utilizar o trabalho indígena com o escambo, os portugueses recorrem à sua escravização. Isso se deve à necessidade portuguesa de mão de obra para a grande lavoura e à indisposição indígena para o trabalho aos moldes europeus. No século XVII, é substituída definitivamente pela escravidão africana.

02. (Mackenzie 2019) As diversas etapas político-administrativas do Período Colonial brasileiro são marcadas

  1. pelo prestígio das Câmaras Municipais, em que se manifestava o poder político dos grandes proprietários de terras locais.
  2. pela seleção dos altos cargos da hierarquia administrativa e eclesiástica entre os naturais da Colônia.
  3. pela progressiva autonomia da Colônia, principalmente após a elevação a Vice-Reinado em 1720.
  4. pelo incentivo à ocupação de terras no interior no país e pela catequese dos povos indígenas pelos jesuítas.
  5. pela superposição do poder dos representantes eclesiásticos sobre o poder dos donatários, evidenciando o forte caráter religioso da nossa colonização.

03. (Mackenzie 2018) “(...) Neste dia, a horas de véspera, houvemos vista de terra! Primeiramente dum monte, mui alto e redondo; e doutras serras mais baixas ao sul dele; e de terra chã, com grandes arvoredos: ao monte alto o capitão pôs o nome – o Monte Pascoal, e à terra – a Terra de Vera Cruz.”

CAMINHA, Pero Vaz de. “Carta. In: Freitas a el -rei D. Manuel”.In FREITAS, Gustavo de. 900 textos e documentos de história. Lisboa: Plátano, 1986. V. II, p. 99-100.

O texto acima é parte da carta do escrivão, Pero Vaz de Caminha, tripulante a bordo da armada de Pedro Álvarez Cabral, ao rei português D. Manuel, narrando o descobrimento do Brasil. Essa expedição marítima pode ser entendida no contexto socioeconômico da época, como uma

  1. tentativa de obtenção de novas terras, no continente europeu, para ceder aos nobres portugueses, empobrecidos pelo declínio do feudalismo, verificado durante todo o século XIV.
  2. consolidação do poder da Igreja junto às Monarquias ibéricas, interessada tanto em reprimir o avanço mulçumano no Mediterrâneo, quanto em cristianizar os indígenas do Novo Continente.
  3. busca por ouro e prata no litoral americano, para suprir a escassez de metais preciosos na Europa, o que prejudicava a continuidade do comércio com o Oriente.
  4. conquista do litoral brasileiro e sua ocupação, garantindo que a coroa portuguesa tomasse posse dos territórios a ela concedidos, pelo Tratado de Tordesilhas, em 1494.
  5. tomada oficial das terras garantidas a Portugal, pelo acordo de Tordesilhas, e o controle exclusivo português da rota atlântica, dando-lhes acesso ao lucrativo comércio de especiarias.

04. (Mackenzie 2017) Ao longo de toda a História, a formação de colônias permitiu que a espécie humana pudesse se distribuir pelo mundo. Contudo, o crescimento populacional e econômico, verificado em algumas civilizações, determinou um novo tipo de colonização, que passou a ter o caráter de dominação e conquista territorial. Ao compararmos o processo de colonização romana com o português, fazem-se as seguintes afirmações:

I. O sucesso em superar suas lutas sociais internas possibilitou aos romanos implantar o regime de império, implicando uma ação conquistadora, que, graças à ação do exército, levou à incorporação de novas regiões. Da mesma forma, após sucessivas guerras religiosas internas, para conquistar sua unificação, Portugal também adotou uma ação expansionista.

II. Roma, além de conquistar territórios para o seu desenvolvimento econômico, também procurava criar um grande Império, aumentando sua supremacia em todo Oriente e Ocidente. Da mesma forma, Portugal, com o início do processo de expansão marítima, no século XIV, almejava criar uma grande nação ultramarina, restaurando o antigo Império Romano.

III. O processo português de colonização correspondia ao modelo mercantilista europeu, no qual a exploração das colônias objetivava enriquecer a metrópole, sem a preocupação de desenvolvê-las.

No caso romano, além da necessidade econômica, visando manter o escravismo, almejavam criar um grande Império, possibilitando que seus habitantes pudessem se tornar cidadãos de Roma.

Assinale a alternativa correta.

  1. Somente a I está correta.
  2. Somente a II está correta.
  3. Somente a III está correta.
  4. Somente a I e a II estão corretas.
  5. Somente a II e a III estão corretas.

05. (Mackenzie 2017) A Inconfidência Mineira representou potencialmente uma das maiores ameaças de subversão da ordem colonial. O fato de ter ocorrido na área das Minas, área na qual a permanente vigilância e repressão sobre a população eram as tarefas maiores das autoridades públicas, indica um alto grau de consciência da capacidade de libertação da dominação metropolitana.

(Resende, Maria Eugênia Lage de. A Inconfidência Mineira. São Paulo: Global,1988)

De acordo com o texto acima assinale a assertiva correta.

  1. A opulência da produção mineradora alcançou o seu apogeu na segunda metade do século XVIII, aumentando a ganância da metrópole portuguesa, que acreditava que os mineiros estivessem sonegando impostos e passou a usar de violência na cobrança dos mesmos.
  2. O descontentamento dos colonos aumentava de acordo com o preço das mercadorias importadas, já que eram proibidas as manufaturas na Colônia. Além disso, os jornais que circulavam na região, alertavam a população sobre a corrupção nos altos cargos administrativos coloniais.
  3. Sofrendo violenta opressão, a classe dominante mineira conscientizou-se das contradições entre os seus interesses e os da metrópole. Influenciada pelo pensamento iluminista e na iminência da cobrança da derrama em Vila Rica, em 1789, preparou uma insurreição.
  4. Contando com adesão e apoio efetivo de diversas parcelas da população mineira, os insurgentes reivindicavam um governo republicano inspirado na ideias presentes na Constituição dos EUA, mas foram traídos por um dos participantes em troca do perdão de suas dívidas pessoais.
  5. Mesmo sem ter ocorrido de fato, a Inconfidência Mineira, o apoio recebido da população revoltada e influenciada pelos ideais iluministas, demonstrou a maturidade do processo pela independência do país. Tal engajamento vai estar presente durante todas as lutas em prol da nossa emancipação.

06. (Mackenzie 2017) “... esses males, nós os temos suportado em comum com as outras Províncias da União Brasileira (...). Para que lançássemos mãos das armas foi preciso a concorrência de outras causas (...) que nos dizem respeito(...) e que nos trouxeram íntima convicção da impossibilidade de avançarmos na carreira da Civilização e prosperidade sujeitos a um governo que há formado o projeto iníquo de nos submeter à mais abjeta escravidão(...).

O trecho do Manifesto Farroupilha de 1838, referia-se ao

  1. fortalecimento do poder central nas mãos da elite latifundiária, ligados ao setor exportador, impedindo assim a participação política das camadas médias urbanas, sobretudo dos militares.
  2. estabelecimento de tarifas alfandegárias favoráveis aos interesses dos estanceiros gaúchos e charqueadores e maior autonomia aos governos provinciais.
  3. desejo de um governo federalista capaz de limitar o anseio e efetiva participação das classes populares e ampliar o poder dos grandes proprietários de escravos junto ao governo.
  4. anseio autonomista das diversas províncias do país e eliminação do regime de produção escravista, vigente também no sul do país, para tentar dinamizar o mercado consumidor nacional.
  5. repúdio à política centralizadora do governo imperial, assim como às demais rebeliões populares que assolavam o país, defendendo reformas sociais e a adesão a um regime unitarista.

07. (Mackenzie 2017) No Brasil do século XVI, a sociedade tinha, no engenho, o centro de sua organização.

Assinale a alternativa que NÃO atesta a importância do engenho no período colonial.

  1. A grande propriedade era monocultora e também escravocrata, voltada para o mercado externo, sendo a montagem da estrutura de produção açucareira, um empreendimento de alto custo.
  2. Os senhores de engenhos, por serem proprietários de terras e escravos, detinham o poder político e controlavam as Câmaras Municipais, sendo denominados de “homens bons”, estendendo tal poder para o interior de sua família.
  3. Alguns engenhos funcionavam como unidades de produção autossuficientes, pois além de oficinas para reparos de suas instalações, produziam alimentos necessários à sobrevivência de seus moradores.
  4. No engenho também havia alguns tipos de trabalhadores assalariados, como o feitor, o mestre de açúcar, o capelão ou padre, que se sujeitavam ao poder e à influência do grande proprietário de terras.
  5. Os grandes engenhos contavam com toda a infraestrutura não apenas para atender às necessidades básicas de sobrevivência, mas voltadas à atividade intelectual que tornava o engenho centro de discussões comerciais.

08. (Mackenzie 2016) Em 1 de abril de 1808, durante a regência de D. João, o alvará de 1785 foi revogado, o que permitiu a liberação e o estabelecimento de indústrias e manufaturas no Brasil. Apesar disso, na prática, essa providência não alcançou seus objetivos de capacitar o país para desenvolver suas indústrias, porque

  1. os acordos de parceria estabelecidos entre o Brasil e a Inglaterra, para o incremento técnico das manufaturas nacionais, foram cancelados por falta de interesse da elite agrária do nosso país.
  2. D. João, apesar de ter permitido a instalação de manufaturas no país, defendia a superioridade dos produtos industrializados europeus perante os similares nacionais.
  3. faltava ainda, a adoção de uma política de proteção alfandegária nacional, diante da concorrência das mercadorias britânicas, além do nosso mercado consumidor interno não ser muito amplo.
  4. novos acordos comerciais foram assinados com potências europeias, o que ampliou os privilégios dos comerciantes estrangeiros no nosso país, em detrimento dos interesses nacionais.
  5. apesar da Inglaterra ter honrado os acordos comerciais e entregado máquinas e equipamentos industriais, a nossa mão de obra escrava não tinha especialização necessária para o trabalho na indústria.

09. (Mackenzie 2015) “Meu avô foi buscar prata, mas a prata virou índios.

Meu avô foi buscar índio, mas o índio virou ouro.


Meu avô foi buscar ouro, mas o ouro virou terra.

Meu avô foi buscar terras e a terra virou fronteira.


Meu avô, ainda intrigado,

foi modelar a fronteira:


E o Brasil tomou a forma de harpa.

(Martim Cererê - Cassiano Ricardo) O autor, no seu poema Metamorfoses se refere às várias transformações verificadas no território brasileiro. Tais “metamorfoses” presentes acima se referem

  1. à importância do indígena brasileiro na composição étnica e cultural do povo brasileiro.
  2. às dimensões continentais adquiridas pela nação brasileira e sua semelhança com um instrumento musical.
  3. ao processo histórico de penetração e ocupação do território nacional e a delimitação das nossas fronteiras.
  4. à conquista do território nacional, realizada pelos nossos indígenas, graças à navegação dos nossos rios.
  5. à enorme diversidade de ecossistemas e paisagens naturais presentes no nosso vasto território.

10. (Mackenzie 2015) “A especificidade do Brasil, que se manteve como única monarquia em meio às repúblicas criadas pela independência nas Américas, indica as trajetórias diversas seguidas pelas colônias em sua transição para Estados independentes. Elas indubitavelmente compartilham de algumas características comuns importantes que as vinculam em um processo que varreu o mundo atlântico (...)”

Assinale a alternativa que NÃO contém uma das “características comuns” citadas no texto.

  1. Relacionam-se com as reformas políticas que incitaram a oposição colonial aos governos das metrópoles.
  2. Surgi ram de cr ises polít icas e const itucionais que incitaram o descontentamento com a distribuição de poder.
  3. Contribuíram para mudanças na estrutura de poder na América, com a distribuição equitativa de participação dos segmentos sociais.
  4. Inspiraram-se em ideias sobre direitos individuais e soberania popular, nascidas na Europa e em vigor nos Estados Unidos.
  5. Nasceram no contexto de disputas e guerras travadas entre potências coloniais.

11. (Mackenzie 2015) A mineração, atividade desenvolvida na região centro-sul do Brasil, no século XVIII, teve inúmeras consequências para a Colônia, entre as quais se pode destacar

  1. o surgimento de um novo estilo artístico decorrente das profundas modificações ocorridas dentro da colônia portuguesa: o Neoclássico.
  2. a retração do mercado interno no país, especialmente em virtude da decadência da atividade pecuária e da agricultura de subsistência.
  3. a urbanização, o surgimento de uma elite intelectual nacional e o surgimento de uma mercado nacional articulado à mineração.
  4. a livre entrada de tecidos e outros manufaturados ingleses para abastecer a região aurífera do Brasil.
  5. o maior aproveitamento da mão de obra indígena, já que era difícil o controle de escravos nessas regiões afastadas do litoral.

12. (Mackenzie 2015) A expulsão da Companhia de Jesus de todos os territórios portugueses, em 1759, foi uma das medidas mais polêmicas tomadas por Pombal. Em geral, as justificativas para esse ato são a total incompatibilidade entre o controle das práticas pedagógicas adotadas pelos jesuítas e o projeto educacional iluminista pombalino. Todavia, é importante assinalar que tal expulsão também está relacionada

  1. aos embates entre o Despotismo Esclarecido e as convicções dogmáticas da Igreja, que persistiram no governo de Pombal e de D. Maria I.
  2. à imposição do catolicismo como religião oficial da colônia, fruto da subordinação da coroa portuguesa às decisões do papa.
  3. ao controle do comércio de escravos africanos pelos jesuítas na região norte, impedindo lucros para a coroa portuguesa.
  4. à influência da burguesia huguenote na corte de D. José I, exigindo o direito de educar os filhos dos colonos, até então monopólio dos jesuítas.
  5. ao interesse em estabelecer o controle sobre as fronteiras da América portuguesa e sobre os recursos econômicos produzidos nessas regiões.

13. (Mackenzie 2014) Distantes geograficamente, é natural que o português do Brasil

e o de Portugal apresentassem, desde o Período Colonial, traços

linguísticos que os particularizassem e diferenciassem. Não é simples,

porém, determinar em que momento isso passou a ocorrer mais

[5] fortemente.

Os primeiros colonos que para cá vieram (século XVI,

principalmente) passaram quase sempre por um processo de

“indianização”, dada a precariedade da estrutura colonial do período.

A partir, contudo, do final do século XVI ou início do século XVII, nas

[10] áreas centrais da Colônia (Bahia e Pernambuco), houve núcleos de

colonização que não se indianizaram, ao menos não intensamente.

Esses novos colonos sentiam-se como “exilados”, e não como

brasileiros. Procuravam manter a cultura europeia, evitando as

influências tropicais. Linguisticamente, essa postura parece ter

[15] desenvolvido uma norma conservadora, que manteria o falar brasileiro

relativamente infenso às inovações que se processaram em Portugal.

Adaptado de Paulo Bearzoti Filho, em Formação linguística do Brasil

Assinale a alternativa que apresenta a melhor paráfrase para o seguinte trecho do texto:

Distantes geograficamente, é natural que o português do Brasil e o de Portugal apresentassem, desde o Período Colonial, traços linguísticos que os particularizassem e diferenciassem. Não é simples, porém, determinar em que momento isso passou a ocorrer mais fortemente.

  1. Porque não é simples determinar o período em que Portugal e Brasil ficaram distantes geograficamente, passa a ser natural que as línguas dos países se particularizassem e diferenciassem.
  2. Por ser natural que o Período Colonial no Brasil e em Portugal se diferenciasse e se particularizasse, os traços linguísticos do português passaram a ser determinados mais fortemente.
  3. Ainda que seja complexo determinar características linguísticas específicas do português europeu e do português brasileiro, diferenciando-os e os particularizando, pode-se pensar na naturalidade na distância geográfica.
  4. É compreensível, pela distância geográfica entre Brasil e Portugal, que desde o período colonial, aspectos linguísticos específicos diferenciassem o português brasileiro do europeu. Determinar, contudo, quando essa diferenciação passou a ser mais intensa é algo complexo.
  5. Desde o período colonial traços linguísticos diferenciam e especificam o português do Brasil e o português de Portugal por causa da distância geográfica, desse modo determinar o momento da ocorrência mais forte da diferenciação é natural.

14. (Mackenzie 2014) Em 12 de agosto de 1798, as paredes das igrejas de Salvador, lugares públicos e paredes de casas, apareceram com panfletos manuscritos que diziam: “Está para chegar o tempo feliz da nossa liberdade, o tempo em que todos seremos irmãos, o tempo em que todos seremos iguais”. Tal manifesto conclamava à revolução a população, que estava insatisfeita com o agravamento do custo de vida. A respeito dessa revolta é correto afirmar que

  1. a Inconfidência Mineira foi influenciada pelos ideais de liberdade vindos da Europa, pela independência das Treze Colônias da América do Norte e pela opressão metropolitana.
  2. a Inconfidência Baiana foi o mais importante e significativo dentre os movimentos emancipacionistas, como a Inconfidência Mineira, a Conjuração Baiana e a Conjura do Rio de Janeiro.
  3. tal movimento de rebeldia contra a Metrópole se manifestou em um momento em que o próprio Estado Português afrouxou sua política de arrecadação fiscal sobre a Colônia.
  4. a Conjuração Baiana, diferente das demais revoltas da época, não se limitou apenas aos ideais de independência e liberdade, como propunha mudanças estruturais para a sociedade brasileira.
  5. a Revolta dos Alfaiates contou com a participação de todas as classes sociais da Bahia, ao contrário dos outros movimentos emancipatórios, mas a liderança coube aos grandes proprietários de terras.

15. (Mackenzie 2013)

A imagem acima, do artista francês Jean-Baptiste Debret, presente em seu livro, Viagem pitoresca e Histórica ao Brasil, retrata uma cena referente aos costumes presentes no Brasil colonial. A respeito da sociedade que se organizou em função da economia agroexportadora, implantada no século XVI, em nosso país é correto afirmar que

  1. a colonização do Brasil, durante o século XVI, sustentou-se, exclusivamente, na escravidão do aborígine, em que o escravo africano estava presente apenas para realizar as tarefas domésticas, como documenta a imagem acima.
  2. seguindo os moldes europeus, transpuseram-se para a colônia brasileira os princípios do feudalismo, em que a relação servil impunha para os trabalhadores africanos uma série de obrigações perante seus senhores, presentes na imagem.
  3. a predominância na utilização do trabalho escravo, em detrimento da escravidão dos indígenas é justificada, principalmente, na dificuldade de adaptar-se o índio ao trabalho, já que nas sociedades tribais é incumbência feminina o trabalho na lavoura.
  4. a mão de obra africana representou a base das atividades econômicas do Brasil colonial, pois, além de trabalhar nos engenhos e nas minas, os africanos também foram utilizados em outros setores como, no transporte, comércio e serviço doméstico.
  5. o senhor de engenho monopolizava a riqueza e, com ela, o prestígio e o poder de comando em suas terras. Na vida doméstica, contudo, o convívio entre senhores e escravos era permeado por relações mais informais, como demonstra a imagem de Debret.

16. (Mackenzie 2011) No ano de sua independência, o Brasil tinha [...] tudo para dar errado. De cada três brasileiros, dois eram escravos, negros forros, mulatos, índios ou mestiços. Era uma população pobre e carente [...]. O medo de uma rebelião dos cativos assombrava a minoria branca. O analfabetismo era geral. [...]. Os ricos eram poucos e, com raras exceções, ignorantes. O isolamento e as rivalidades entre as províncias prenunciavam uma guerra civil [...].

Laurentino Gomes, 1822

É correto afirmar que a independência do Brasil só não confirmou os temores apresentados no trecho,

  1. porque ao defender a revolução popular de inspiração camponesa, inspirou legisladores como José Bonifácio e Joaquim Nabuco a defenderem a emancipação completa em relação a Portugal.
  2. porque o povo conseguiu entender os anseios de D. Pedro e da elite brasileira, ao pegar em armas e defender até a morte uma independência que parecia condenada em sua própria estrutura.
  3. porque foi realizada à revelia da população pobre – destacadamente de origem africana e indígena – uma vez que suas simpatias pela Revolução Americana ameaçavam os poderes da elite branca.
  4. porque parcelas significativas da elite brasileira se aglutinaram em torno de D. Pedro, a fim de manter as antigas bases de um Brasil colonial na estrutura do novo país que nascia em 1822.
  5. porque foi inspirada pela Revolução Francesa e pelas ideias iluministas, no contexto da crise do Antigo Sistema Colonial, sendo liderada pela elite burguesa contra a tirania representada por D. Pedro.

17. (Mackenzie 2011) Após a criação desse sistema, estabeleceu-se um centro que serviria como o “coração” do território nacional. Segundo Rodolfo Garcia, o regimento de 1548 introduziu uma alteração significativa no caráter da legislação metropolitana editada no Brasil, na medida em que o principal meio pelo qual o rei mandava povoar o Brasil era o da redução da população indígena à fé católica. Não por acaso, os primeiros jesuítas chegaram ao Brasil na comitiva de Tomé de Souza.

Adaptado de Ronaldo Vainfas. Dicionário do Brasil Colonial.

O texto trata de um sistema conhecido como

  1. Provedor-mor.
  2. Capitanias Hereditárias.
  3. Período Pré-colonial.
  4. Intendente das Minas.
  5. Governo Geral.

18. (Mackenzie 2011) “Vale dizer que, naquele momento, não se reconhecia com precisão a data oficial da Independência do Brasil. [...] [Alguns] a situavam na convocação da Assembleia Constituinte no Brasil em junho de 1822. O próprio D. Pedro só em 1823 se referiu ao 7 de setembro. Pesava mais [após a obtenção de apoios locais e da pressão portuguesa contra os interesses brasileiros] o grito, o gesto fundador e seu lema [Independência ou Morte], pois o problema residia na legítima autodeterminação de um povo que estabelece o seu governo e proclama a Independência sob o risco de uma morte patriótica que se sacrifica pelo bem público.

A aclamação no Rio de Janeiro, com a presença efetiva de D. Pedro, ocorreu em 12 de outubro de 1822, depois que o Senado da Câmara do Rio de Janeiro tomou para si a tarefa de congregar as adesões e investir D. Pedro na condição de rei constitucional. Conciliava-se, aí, a data do aniversário do imperador com o descobrimento da América, reforçando seus vínculos. [...]

A coroação de D. Pedro I acontece em 1º de dezembro de 1822, no Rio de Janeiro, depois de várias aclamações, das adesões das Câmaras, do início da guerra de Independência. [...]

SOUZA, I.L.C. A independência do Brasil.

Considerando o texto, e com base em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta.

  1. As elites brasileiras passaram por um longo processo de acomodação política, ocasionando conflitos com a metrópole e com o povo brasileiro, excluídos de representação. Em virtude disso, para os populares, somente D. Pedro poderia lhes garantir certos direitos.
  2. A indicação de um descendente da Casa de Bragança para o trono brasileiro revela a intenção de romper, política e economicamente, com as principais monarquias europeias. Assim, tal independência somente seria assegurada e consolidada por Pedro I.
  3. A busca por legitimação da independência promoveu uma série de ritos e celebrações na corte imperial. Em virtude disso, o Império alcançaria seu auge com o governo de D. Pedro I, responsável direto pela independência brasileira, e sua consolidação.
  4. A busca por legitimação – interna e externa – da independência brasileira gerou todo um processo de ritos e celebrações em torno da figura de D. Pedro. Porém, a falta de um projeto efetivo ameaçou a consolidação dessa independência, em seus primeiros anos.
  5. A independência se insere em um contexto maior, de crise do Antigo Sistema Colonial e acomodação política das elites. Assim, a sacralização da figura do imperador demonstrava os anseios populares de que suas condições melhorariam a partir do Império.

Você acredita que o gabarito esteja incorreto? Avisa aí 😰| Email ou WhatsApp



.